domingo, 25 de janeiro de 2009

Benditas sejam as tempestades

As plantas mais resistentes não são as que crescem no meio da floresta, ao abrigo das tormentas. São as que se encontram na periferia e recebem vento de todos os lados.

O vento as encurvam e as retorcem e é assim que elas se tornam gigantescas.

Para que as raízes das árvores se fortaleçam, é preciso que elas sejam açoitadas por ventos e temporais.

E é essa planta que, no meio da campina, se mostra adequda para abrigar o gado e o rebanho. A terra ao seu redor é dura. A chuva é de pouca valia para ela, pois a água escorre e vai embora.

Então vêm as tempestades. A árvore se contorce, se retorce e verga quase arrancada pelas raízes.

Se falasse, certamente iria reclamar amargamente desse “castigo”. Será que, nesse caso, Deus não a deveria atender e fazer cessar a tempestade?

A ventania faz a planta se dobrar ao meio. Parece enraivecida. Será que tanta crueldade tem algum propósito. Isso é amor?

O solo ao redor da árvore agora está todo aberto. Há grandes e profundas rachaduras por ali. Um desavisado talvez as veja como dolorosas feridas. Então vem a chuva, com sua abençoada missão.

As “feridas” se enchem de água, que penetra profundamente na terra, alcançando até as mais distantes pontas da raiz.

O sol volta a brilhar. Uma nova e vigorosa vida brota da planta. As raízes se aprofundam cada vez mais. Os ramos crescem e se distendem.

E ouve-se um estalo, como se fosse um tiro, “suas roupas” ficaram pequenas para ela. Está crescendo como um gigante. Está se aprofundando cada vez mais.

É dessa árvore que todos querem tirar as vigas que sustentarão seus lares.

É dela que o marceneiro fará os mais requintados móveis.

Os estaleiros anseiam encontrá-la para construir seus navios.

Sempre que, em nosso meio, encontrarmos um “gigante”, pensemos no caminho que ele já percorreu. Ao certo, não foi sempre uma estrada ensolarada, ladeada de flores. Pode ter sido uma trilha estreita, íngreme, pedregosa, onde as rajadas de vento quase o derrubaram. Ali, as rochas pontiagudas podem ter ferido seus pés. Os espinhos podem tê-lo arranhado.

Mas, como todo aquele que não se deixa morrer pelas envergaduras da vida, se levanta, cura as feridas, aproveita as gotas de chuva e a escuridão momentânea para enxergar além. Como a árvore, torna-se um marco, um porto seguro para aqueles que buscam abrigo embaixo de suas copas.

Eu conheci e aprendi com um gigante. Eu conheço e aprendo com um gigante. Eu convivo com alguém que pretende ser gigante.

Adaptado de Fontes no Vale
Lettie Cowman
Fotos: meu pai, minha mãe e meu marido.

[...]

Mestre dos Mestres

As atitudes de Jesus deixam todos fascinados. Na última ceia, Jesus anunciou a sua morte e disse que um dos discípulos o trairia.

Abalados todos queriam saber o nome do traidor. Mas Ele jamais expunha publicamente os erros das pessoas.

Jesus não daria o nome do traidor, protegeria Judas. Eles insistiram. Então mostrando uma humanidade admirável, em vez de acusar Judas, deu a ele um pedaço de pão.

O traidor queria golpeá-lo, mas Jesus queria saciá-lo, pois sabia que ele tinha fome de paz.

Apenas Judas percebeu o que se passava, mais uma vez, demonstrando força e serenidade inigualáveis disse a Judas sem temor: "O que pretendes fazer, faze-o depressa".

Jesus não o criticou, não o pressionou, teve a ousadia de dizer que se Judas quisesse traí-lo, que fizesse depressa. Nunca alguém agiu assim com seu traidor.

No ato da traição, houve mais atitudes surpreendentes da parte de Jesus. Judas chegou com uma escolta, estava nervoso e ofegante. Precisava identificá-lo naquela noite escura e fria. Embora fosse trair seu Mestre sabia que Ele era extremamente dócil, bastava um beijo. Então tomou a frente da escolta e foi beijá-lo.

Você se deixaria beijar por seu traidor? Muitos nunca mais nem falaram com pessoas muito próximas depois de uma decepção. Jesus se deixou beijar e ainda disse-lhe: "Amigo, para que vieste? Com um beijo trais o Filho do homem?".

Nunca se teve notícias de que um traidor tenha sido tratado com tanta gentileza, com tanto amor. Ele chamou seu traidor de amigo. Tal como havia falado no Sermão do Monte que deveríamos dar a outra face aos nossos inimigos e amá-los

Mesmo sabendo que iria sofrer, Jesus procurava proteger Judas.

Adaptado de 12 semanas para mudar uma vida.
Augusto Cury
[...]

Histórias de Sucesso

Nascido em 27 de outubro de 1964 na Paraíba, ainda no ensino fundamental (antigo primário), envolveu-se com teatro no Colégio Estadual da Liberdade, em Campina Grande, quando conheceu um colega chamado Afrânio, com o qual compartilhava poemas próprios ou achados dos poetas Augusto dos Anjos e Gonçalves Dias.

Filho do radialista Magidiel Lopes de Souza e de Maria das Mercês Lima de Souza, era o mais velho de cinco irmãos.

Seu pai escrevia poemas românticos e os lia nos programas de rádio noturnos que locucionava nas rádios AM Caturité e Cariri.

Sérgio Lopes compõe desde sua adolescência, quando também cantava no coral jovem da Igreja Evangélica Congregacional de Campina Grande, onde permaneceu até 1979.

Sergio Lopes perdeu seus pais precocemente, pois sua mãe morreu de câncer aos trinta e cinco anos e seu pai faleceu em 1988, aos quarenta e seis anos, o que o levou a alistar-se na Marinha para garantir sua sobrevivência e a continuação de seus estudos.

É provável que venha do próprio pai a inclinação de Sérgio Lopes ao mundo poético.

Na adolescência iniciou curso de teatro no Teatro Municipal de Campina Grande e sua primeira participação como ator foi na peça "Vestido de Noiva", dirigido pela dramaturga Maria de Lourdes Piazzolla.

Em 1980, já órfão de mãe, ingressou no Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha e em 1982 foi transferido para o Rio de Janeiro, onde se converteu ao protestantismo batista.

Em seguida criou o Grupo Teatral Evangélico do RJ.

Em 1983 dirigiu uma peça intitulada "O Intruso dos Nossos Natais", apresentada com casa cheia no Teatro Cacilda Becker (Botafogo) para um público segmentado.

Ainda em 1983 iniciou Curso de Direito da Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro.

Começou a gravar música gospel em 1986 com o Grupo Altos Louvores, quando recebeu o troféu de primeiro lugar no I Festival Nacional de Música Sacra, promovido pela Arquidiocese Católica do Rio no Teatro Villa Lobos em Copacabana, com a apresentação de sua música "Agora Posso Crer".

Com a iniciação na música e as constantes viagens para eventos musicais, teve que interromper os estudos de Direito. Permaneceu no grupo até 1989, e em 1990 lançou seu primeiro disco em carreira solo, que coincidiu com o surgimento das primeiras rádios FM gospel no Brasil, que ajudaram a tornar conhecidas as suas composições.

Em 1988 casou-se e teve três filhos, Sergio Victor (1990), Arthur (1991) e Gabriel (1993).

Em 1995 deixou a Marinha para dedicar-se integralmente à música.

O grande momento de sua carreira, que o definiria como intérprete conhecido nacionalmente ocorreu em 1997, com o lançamento da canção O Lamento de Israel, que já é traduzida e cantada em vários idiomas, entre eles o inglês, espanhol, hebraico, italiano e francês pelos cristãos desses países.

Hoje já tem 18 títulos e oito discos de ouro. Tendo gravado algumas faixas em espanhol, inglês e hebraico.


Em 2003 teve uma de suas composições, intitulada "Salmo 126" gravada por Assíria Nascimento, esposa de Pelé.

Considerado poeta por causa do estilo poético de suas letras, também faz jus ao título pelo livro publicado em 2006 intitulado "Sergio Lopes - O Observador da Vida - Poemas e Crônicas".

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9rgio_Lopes
http://www.sergiolopes.com.br/perfil.html
[...]

Simples, simples assim...

Nunca duvide de que um pequeno grupo de pessoas esforçadas e decididas seja capaz de mudar o mundo.

Na verdade, essa é a única maneira de fazê-lo.

Margaret Mead - Seleções Reader's Digest - Janeiro/2009
[...]

Justiça Eleitoral

[...]

TSE

Instância máxima em material eleitoral, salvo quanto aos recursos extraordinário e ordinário para o STF.

Suas decisões são irrecorríveis, salvo:

a) Quando contrárias à CF
b) Quando denegarem habeas corpus ou mandado de sgurança.

Nesses casos, as decisões do TSE desafiam recurso ao STF.

É composto por 07 membros, no mínimo, na forma prevista no artigo 119 da CF.
[...]

TRE


Órgão de segunda instância em matéria eleitoral.

É composto por 07 membros.
[...]

Juízes e Juntas Eleitorais

Órgãos de primeira instância em matéria eleitoral.

Os Juízes Eleitorais são Juízes de Direito, membros da magistratura estadual, no exercício de função eleitoral.

As Juntas Eleitorais são órgãos colegiados, presididos por um Juiz de Direito que pode estar exercendo as funções eleitorais ou não. É composta, além do seu presidente, de 02 ou 04 cidadãos.
[...]

TRE-MG - Regimento Interno

01. O TRE/MG POSSUI COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA PARA PROCESSAR E JULGAR CRIMES ELEITORAIS COMETIDOS POR ALGUNS AGENTES PÚBLICOS. ASSINALE A OPÇÃO QUE DESCREVE UM AGENTE PÚBLICO QUE NÃO SERÁ ORIGINARIAMENTE JULGADO PELO TRE/MG, EM CASO DE CRIME ELEITORAL.

A. UM JUIZ ELEITORAL DE UMA ZONA ELEITORAL DA CAPITAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS.
B. UM DEPUTADO ESTADUAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS.
C. UM MESÁRIO, POR CRIME COMETIDO NO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES, DURANTE ELEIÇÕES ESTADUAIS.
D. O PREFEITO DE UM MUNICÍPIO MINEIRO.
E. UM SECRETÁRIO DE ESTADO DO GOVERNO DE MINAS GERAIS.

02. ANDRÉ SERVIU COMO JUIZ DO TRE/MG ENTRE 1999 E 2001 E INICIOU, HÁ UM MÊS, SEU SEGUNDO BIÊNIO NO CARGO. A RESPEITO DESSA SITUAÇÃO HIPOTÉTICA JULGUE OS ITENS

I. SE UM IRMÃO DE ANDRÉ FOR ESCOLHIDO COMO CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL PELO ESTADO DE MINAS GERAIS, NAS ELEIÇÕES DE 2010, ANDRÉ DEVERÁ AFASTAR-SE DE SUA ATIVIDADE NO TRE/MG DESDE A HOMOLOGAÇÃO DA CONVENÇÃO PARTIDÁRIA QUE INDICAR SEU IRMÃO COM CANDIDATO ATÉ A APURAÇÃO FINAL DAS REFERIDAS ELEIÇÕES.
II. SERIA NULA A RECONDUÇÃO DE ANDRÉ, AO FINAL DO BIÊNIO EM CURSO, POIS É VEDADO SERVIR COMO JUIZ NO TRE/MG POR MAIS DE DOIS BIÊNIOS.
III. SE ANDRÉ SE AFASTAR DO EXERCÍCIO DE SUAS ATIVIDADES NO TRE/MG POR TRÊS MESES EM VIRTUDE DE LICENÇA MÉDICA ESSE PERÍODO DEVERA SER DESCONTADO NA CONTAGEM DO ATUAL BIÊNIO DE ATUAÇÃO DE ANDRÉ NO TRIBUNAL.

ASSINALE A OPÇÃO CORRETA.

A) APENAS O ITEM I ESTÁ CERTO.
B) APENAS O ITEM II ESTÁ CERTO.
C) APENAS OS ITENS I E III ESTÃO CERTOS.
D) APENAS OS ITENS II E III ESTÃO CERTOS.
E) TODOS OS ITENS ESTÃO CERTOS.

03. CONSIDERE QUE, NESTE MOMENTO, O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL ESTEJA SUSTENTANDO ORALMENTE SEU PARECER EM PROCESSO QUE ESTÁ SENDO JULGADO PELO TRE/MG. NESSA SITUAÇÃO, ASSINALE A OPÇÃO CORRETA.

A) NO JULGAMENTO DO REFERIDO PROCESSO, A PALAVRA AINDA NÃO DEVE TER SIDO DADA A NENHUM DOS JUIZES, POIS O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL DEVE PRONUNCIAR-SE ANTES MESMO DO RELATÓRIO.
B) O RELATOR JÁ DEVE TER FEITO SEU RELATÓRIO, MAS AINDA NÃO DEVE TER PROFERIDO SEU VOTO.
E) TODOS OS JUIZES JÁ DEVEM TER MANIFESTADO SEU VOTO, POIS A PALAVRA É FACULTADA AO PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL APÓS O PRONUNCIAMENTO DE TODOS OS JUIZES.
D) O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL APENAS PODE CONCEDER APARTES AOS JUIZES DO TRE/MG QUE JÁ PRONUNCIARAM SEUS VOTOS.
E) A REFERIDA SUSTENTAÇÃO PODE OCORRER EM QUALQUER MOMENTO DA SESSÃO DE JULGAMENTO, POIS AO PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL É FACULTADO INTERVIR SEMPRE QUE JULGAR NECESSÁRIO, MESMO APÓS O ENCERRAMENTO DOS DEBATES.

04. CONSIDERE QUE O PRESIDENTE E O VICE-PRESIDENTE DO TRE/MG TENHAM SE AUSENTADO SIMULTANEAMENTE DO PAÍS. NESSA SITUAÇÃO, DURANTE O PERÍODO EM QUE ELES ESTIVEREM AUSENTES, DEVERÁ EXERCER A PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL

A) O JUIZ EFETIVO MAIS ANTIGO DA CORTE
B) UM JUIZ PROVENIENTE DA JUSTIÇA FEDERAL
C) O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL
D) O SUPLENTE DO PRESIDENTE
E) O CORREGEDOR REGIONAL ELEITORAL

05. RELACIONE OS CARGOS DO TRIBUNAL REGIONAL DE MINAS GERAIS INDICADOS NA COLUNA A COM AS RESPECTIVAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DENTRE AQUELAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS CONSTANTES DA COLUNA B:

COLUNA A

I. PRESIDENTE
II. VICE-PRESIDENTE
III. PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL
IV. CORREGEDOR REGIONAL ELEITORAL

COLUNA B

( ) DETERMINAR A APURAÇÃO DE NOTÍCIA CRIME ELEITORAL E VERIFICAR SE AS DENÚNCIAS JÁ OFERECIDAS TÊM CURSO NORMAL
( ) SUPERVISIONAR OS SERVIÇOS DA SECRETARIA DO TRIBUNAL, EXPEDINDO INSTRUÇÕES
( ) PROMOVER A AÇÃO PENAL NOS CRIMES ELEITORAIS
( ) DESPACHAR OS EXPEDIENTES DIRIGIDOS AO TRIBUNAL, INCLUSIVE INQUÉRITOS POLICIAIS
( ) ACOMPANHAR OS INQUÉRITOS CONTRA JUÍZES ELEITORAIS
( ) APLICAR AOS SERVIDORES DOS CARTÓRIOS ELEITORAIS PENA DISCIPLINAR DE ADVERTÊNCIA OU SUSPENSÃO ATÉ 30 DIAS
( ) SUBSTITUIR O PRESIDENTE NAS FÉRIAS, LICENÇAS, IMPEDIMENTOS E AUSÊNCIAS OCASIONAIS

ASSINALE A ALTERNATIVA QUE APRESENTA A SEQUÊNCIA CORRETA, DA ESQUERDA PARA A DIREITA, PARA A MELHOR RELAÇÃO DE CIMA PARA BAIXO NA COLUNA B:

A. IV, IV, III, I, II, III, II
B. III, I, IV, II, III, I, II
C. IV, I, III, I, III, IV, II
D. III, II, III, IV, IV, I, II

GABARITO:

01. C; 02. A; 03. B; 04. A; 05. C


16/20
[...]

TRE-MG - Regimento de Juízos e Cartórios

01. ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA QUE CONTÉM, PELA ORDEM, AS PALAVRAS QUE COMPLETAM CORRETAMENTE, NA SEQÜÊNCIA, OS ESPAÇOS EM BRANCO NO SEGUINTE TEXTO, SOBRE A ORGANIZAÇÃO DOS CARTÓRIOS ELEITORAIS:
HAVERÁ EM CADA CARTÓRIO, LIVROS DEVIDAMENTE AUTENTICADOS PELO ______, COM LAVRATURA E SUBSCRIÇÃO DOS TERMOS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO, DOS QUAIS CONSTARÁ O TOTAL DE FOLHAS CONTIDAS NO RESPECTIVO LIVRO, BEM COMO RUBRICA, À MÃO, DE TODAS AS FOLHAS. O LIVRO DE AUDIÊNCIA EM FOLHAS SOLTAS SERÁ ENCADERNADO COMPLETADAS _________ FOLHAS.

A. JUIZ – 200
B. CHEFE DE CARTÓRIO – 100
C. ESCRIVÃO - 100
D. JUIZ - 100
E. JUIZ - 300

02. ACERCA DO FORO ELEITORAL, JULGUE OS ITENS


I. HAVERÁ FORO ELEITORAL EM TODAS AS COMARCAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS.
II. O FORO ELEITORAL SERÁ DIRIGIDO POR UM DOS JUÍZES ELEITORAIS EXISTENTES NA COMARCA, OBEDECIDA A ORDEM DE ANTIGUIDADE.
III. O DIRETOR DO FORO SERÁ A AUTORIDADE DE LIGAÇÃO IMEDIATA ENTRE OS CARTÓRIOS ELEITORAIS, A PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL E A CORREGEDORIA REGIONAL ELEITORAL.
IV. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL E O CORREGEDOR REGIONAL ELEITORAL PODERÃO CONVOCAR O DIRETOR DO FORO PARA REUNIÕES PERIÓDICAS NA SEDE DO TRIBUNAL.

A QUANTIDADE DE ITENS CORRETOS É IGUAL A

A. 0
B. 1
C. 2
D. 3
E. 4

03. O JUIZ ELEITORAL POSSUI COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA PARA PROCESSAR E JULGAR CRIMES ELEITORAIS COMETIDOS POR ALGUNS AGENTES PÚBLICOS. ASSINALE A OPÇÃO QUE DESCREVE UM AGENTE PÚBLICO QUE SERÁ JULGADO PELO JUIZ ELEITORAL, EM CASO DE CRIME ELEITORAL.

A. UM JUIZ ELEITORAL DE UMA ZONA ELEITORAL DA CAPITAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS.
B. UM DEPUTADO ESTADUAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS.
C. UM MESÁRIO, POR CRIME COMETIDO NO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES, DURANTE ELEIÇÕES ESTADUAIS.
D. O PREFEITO DE UM MUNICÍPIO MINEIRO.
E. UM SECRETÁRIO DE ESTADO DO GOVERNO DE MINAS GERAIS.

04. FILIPE SERVIU COMO JUIZ ELEITORAL DE MINAS GERAIS ENTRE 1999 E 2001 E POR NÃO EXISTIR EM SUA COMARCA JUIZ QUE NÃO TENHA EXERCIDO A FUNÇÃO ELEITORAL, REASSUMIU A TITULARIDADE HÁ UM MÊS. A RESPEITO DESSA SITUAÇÃO HIPOTÉTICA JULGUE OS ITENS

I. SE UM IRMÃO DE FILIPE FOR ESCOLHIDO COMO CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL PELO ESTADO DE MINAS GERAIS, NAS ELEIÇÕES DE 2010, FILIPE DEVERÁ AFASTAR-SE DE SUA ATIVIDADE COMO JUIZ ELEITORAL DESDE A HOMOLOGAÇÃO DA CONVENÇÃO PARTIDÁRIA QUE INDICAR SEU IRMÃO COM CANDIDATO ATÉ A APURAÇÃO FINAL DAS REFERIDAS ELEIÇÕES.
II. SERIA NULA A RECONDUÇÃO DE FILIPE, POIS É VEDADO SERVIR COMO JUIZ ELEITORAL DE MINAS GERAIS POR MAIS DE DOIS BIÊNIOS.
III. SE FILIPE SE AFASTAR DO EXERCÍCIO DE SUAS ATIVIDADES NA JUSTIÇA ELEITORAL POR TRÊS MESES EM VIRTUDE DE LICENÇA MÉDICA ESSE PERÍODO NÃO DEVERA SER DESCONTADO NA CONTAGEM DO ATUAL BIÊNIO DE ATUAÇÃO DE FILIPE COMO JUIZ ELEITORAL.

ASSINALE A OPÇÃO CORRETA.

A) APENAS O ITEM I ESTÁ CERTO.
B) APENAS O ITEM II ESTÁ CERTO.
C) APENAS O ITEM III ESTÁ CERTO.
D) APENAS OS ITENS II E III ESTÃO CERTOS.
E) TODOS OS ITENS ESTÃO CERTOS.

05. RELACIONE AS FUNÇÕES ELEITORAIS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INDICADOS NA COLUNA A COM AS RESPECTIVAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DENTRE AQUELAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS CONSTANTES DA COLUNA B:

COLUNA A

I. JUIZ ELEITORAL
II. DIRETOR DO FORO
III. DIRETOR OU CHEFE DE CARTÓRIO

COLUNA B

( ) PROVER SOBRE AS QUESTÕES ADMINISTRATIVAS QUE INTERESSEM A TODAS AS ZONAS DA COMARCA.
( ) ORDENAR O REGISTRO E A CASSAÇÃO DO REGISTRO DOS CANDIDATOS AOS CARGOS ELETIVOS MUNICIPAIS.
( ) PROMOVER REUNIÕES PERIÓDICAS DOS JUÍZES, COM O OBJETIVO DE DISCUTIR E DECIDIR ASSUNTOS COMUNS, VISANDO AO ESTABELECIMENTO DE NORMAS PADRONIZADAS DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO.
( ) DAR IMEDIATA CIÊNCIA À SECRETARIA DO TRIBUNAL DA CRIAÇÃO, MODIFICAÇÃO OU EXTINÇÃO DOS LOCAIS DE VOTAÇÃO.
( ) PROCESSAR A FILIAÇÃO PARTIDÁRIA, NOS TERMOS DA LEI.
( ) REGISTRAR OS CANDIDATOS NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS.

ASSINALE A ALTERNATIVA QUE APRESENTA A SEQUÊNCIA CORRETA, DA ESQUERDA PARA A DIREITA, PARA A MELHOR RELAÇÃO DE CIMA PARA BAIXO NA COLUNA B:

A. II, I, III, I, II, III
B. III, II, III, I, III, I
C. I, I, II, III, III, II
D. II, I, II, III, III, II
E. I, II, III, III, II, I

GABARITO:

01. D; 02. C; 03. C; 04. C; 05. D

11/15
[...]

Direito Constitucional

01. A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL TEM COMO FUNDAMENTOS, DENTRE OUTROS,

(A) O PLURALISMO POLÍTICO E A AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS.
(B) A INDEPENDÊNCIA NACIONAL E O DESENVOLVIMENTO NACIONAL.
(C) A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E A CIDADANIA.
(D) O REPÚDIO AO TERRORISMO E A DEFESA DA PAZ.
(E) O ASILO POLÍTICO E A NÃO-INTERVENÇÃO.

02. UM DOS FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL É

(A) A LIVRE E INTEGRAL DISTRIBUIÇÃO DA CULTURA, COM ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO, PARA QUE TODOS
POSSAM PARTICIPAR POLITICAMENTE DOS DESTINOS DO PAÍS.
(B) A INDISSOLUBILIDADE DO VÍNCULO FEDERATIVO, QUE SÓ PODE SER CONTORNADA COM A DEMOCRÁTICA APROVAÇÃO DE EMENDA CONSTITUCIONAL.
(C) O PLURALISMO POLÍTICO, QUE REPRESENTA A AMPLA E LIVRE PARTICIPAÇÃO POPULAR NOS DESTINOS DO PAÍS, GARANTINDO A LIBERDADE DE ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO.
(D) O CONTROLE DAS DESIGUALDADES SOCIAIS E REGIONAIS, GARANTINDO DEMOCRÁTICA DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E ERRADICAÇÃO DA POBREZA.
(E) A GARANTIA DO BEM DE TODOS, SEM PRECONCEITOS DE ORIGEM, RAÇA, SEXO, IDADE E QUAISQUER OUTRAS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO.

03. É INCORRETO AFIRMAR QUE DOIS DOS FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SÃO

(A) O PLURALISMO POLÍTICO E A CIDADANIA.
(B) A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E O PLURALISMO POLÍTICO.
(C) OS VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E DA LIVRE INICIATIVA.
(D) A SOBERANIA E A CIDADANIA.
(E) A CIDADANIA E A NÃO-INTERVENÇÃO NOS ESTADOS.

04. UM DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS QUE REGEM A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL É A

(A) PROMOÇÃO DO BEM DE TODOS, SEM PRECONCEITOS DE QUAISQUER NATUREZAS.
(B) REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS E REGIONAIS.
(C) GARANTIA DO DESENVOLVIMENTO NACIONAL.
(D) CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE LIVRE, JUSTA E SOLIDÁRIA.
(E) CIDADANIA, SENDO GRATUITOS OS ATOS NECESSÁRIOS AO SEU EXERCÍCIO.

05. É CORRETO AFIRMAR, EM RELAÇÃO À REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, QUE

(A) OS PODERES DA UNIÃO SÃO HARMÔNICOS ENTRE SI, MAS O LEGISLATIVO E O EXECUTIVO SÃO DEPENDENTES DO JUDICIÁRIO.
(B) OS VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E DA LIVRE INICIATIVA SÃO CONSIDERADOS, DENTRE OUTROS, COMO FUNDAMENTOS DO ESTADO BRASILEIRO.
(C) A CONCESSÃO DE ASILO POLÍTICO E A AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS SÃO PRINCÍPIOS REPUDIADOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS.
(D) A ERRADICAÇÃO DA POBREZA E A REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS REGIONAIS NÃO SE INCLUEM DENTRE OS SEUS OBJETIVOS FUNDAMENTAIS.
(E) A SOBERANIA, A CIDADANIA, A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E O PLURALISMO POLÍTICO NÃO FAZEM PARTE DE SEUS FUNDAMENTOS.

06. A ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL VIGENTE, COMO OS PRINCÍPIOS DA INDEPENDÊNCIA, DO DESENVOLVIMENTO NACIONAL, DA JUSTIÇA SOCIAL E DA NÃO DISCRIMINAÇÃO, DIZEM RESPEITO AOS PRINCÍPIOS RELATIVOS

(A) À EXISTÊNCIA E AO TIPO DE ESTADO.
(B) À ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE.
(C) AO REGIME POLÍTICO.
(D) À PRESTAÇÃO POSITIVA DO ESTADO.
(E) À FORMA DE GOVERNO E À ORGANIZAÇÃO DOS PODERES.

07. REPRESENTA EXCEÇÃO AOS PRINCÍPIOS QUE REGEM AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO BRASIL A

(A) SOLUÇÃO PACÍFICA DOS CONFLITOS.
(B) VEDAÇÃO DE ASILO POLÍTICO.
(C) DEFESA DA PAZ.
(D) NÃO-INTERVENÇÃO.
(E) AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS.

08. O TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL TRATA DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS, INCLUINDO, DENTRE ESSES, A

(A) PREVALÊNCIA DOS DIREITOS HUMANOS COMO FUNDAMENTO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.
(B) GARANTIA DO DESENVOLVIMENTO NACIONAL COMO OBJETIVO FUNDAMENTAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
(C) DEMOCRACIA COMO PRINCÍPIO DE REGÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
(D) SOBERANIA E A CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE LIVRE, JUSTA E SOLIDÁRIA COMO OBJETIVO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.
(E) CIDADANIA COMO PRINCÍPIO DE REGÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

09. DENTRE OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA É PREVISTO EXPRESSAMENTE COMO FUNDAMENTO DA REPÚBLICA A

(A) PROPORCIONALIDADE.
(B) IMUNIDADE RECÍPROCA DOS ENTES FEDERADOS.
(C) MORALIDADE.
(D) DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA.
(E) DEFESA DO CONSUMIDOR.

10. NA LETRA EXPRESSA DO TEXTO CONSTITUCIONAL BRASILEIRO EM VIGOR, A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA CONSTITUI

(A) DIREITO FUNDAMENTAL INDIVIDUAL.
(B) VALOR SUPREMO DA DEMOCRACIA.
(C) PRINCÍPIO QUE REGE AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS E INTERNAS DO ESTADO BRASILEIRO.
(D) OBJETIVO FUNDAMENTAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
(E) FUNDAMENTO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.

GABARITO:

01. C -
Art. 1º, II e II
A. PLURALISMO - FUNDAMENTO E AUTODETERMINAÇÃO - PRINCÍPIO
B. INDEPENDÊNCIA NACIONAL - PRINCÍPIO E DESENVOLVIMENTO NACIONAL - OBJETIVO
D. PRINCÍPIOS
E. PRINCÍPIOS

02. C -
Art. 1º, V

03. E - NÃO-INTERVENÇÃO É PRINCÍPIO

04. E -
1º, II - EMBORA TENHA CONSIDERADO APENAS OS FUNDAMENTOS, OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS ENGLOBAM TANTO FUNDAMENTOS QUANTO OBJETIVOS E PRINCÍPIOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS.
A. OBJETIVO
B. OBJETIVO
C. OBJETIVO
D. OBJETIVO

05. B - ART.
1º, IV

06. D

07. B -
ART. 4º, X

08. B -
ART. 3º, II

09. D -
ART. 1º, III

10. E -
ART. 1º, III

DC-Assunto-1/10
[...]

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB