domingo, 2 de novembro de 2008

Simples, simples assim

A dor nos ensina a ver o mundo de outra forma, com mais calma, mais vagar.

A dor nos ensina a ouvir o silêncio, a sentir as notas da quietude. Mas não significa estagnação. É o silêncio de nós mesmos. É o silêncio do outro. É conhecimento e autoconhecimento. É o olhar para dentro de si. É o olhar para dentro do outro.

A dor é nossa aliada no crescimento e na maturidade.

A dor faz com que nos enxerguemos no olhar do outro.

Se ela vem e é necessária, tenha calma. Ela se vai. Transforme-a em conquistas, em sorrisos... mãos estendidas para aquele cuja dor está apenas começando.

Raquel Tinoco
[...]

Mestre dos Mestres

Correr com paciência é muito difícil. Correr sugere imediatamente ausência de paciência, desejo de alcançar rapidamente o alvo.

Comumente associamos paciência com estar parado. Pensamos nela como o anjo que guarda o leito do enfermo.

A paciência daquele que obrigatoriamente está estático, talvez não seja a mais difícil de obter.

Há outra que considero mais difícil.

Estar queito no tempo das adversidades, curvar-se sob o golpe da hora difícil, exige grande força; mas eu sei de uma coisa que exige uma força ainda maior: é o poder de trabalhar debaixo do golpe; ter um peso sobre o coração e ainda correr. Ter uma profunda angústia no espírito e ainda executar a tarefa diária.

Muitos de nós seríamos capazes de nutrir uma dor sem chorar, se nos fosse permitido nutri-la.

É, mas a maioria de nós é chamada a exercitar a paciência, não deitados, mas na rua.

Somos chamados a sepultar nossas tristezas, não em plácida quietude, mas no serviço ativo, nos negócios, na oficina, nos estudos, na vida social, no contribuir para a alegria de outros.

Nunca é tão difícil sepultar tristezas como no meio dessas situações. É correr com paciência.

Imaginem Jesus!!! Estava ao mesmo tempo a esperar e a correr. Esperava pelo alvo e ao mesmo tempo executava tarefas de pouca aparência.

Ele sabia o que viria. Aguardava. Esperava com paciência. E corria.

Certa vez em uma festa em Caná da Galiléia, transformou a água em vinho para que a cerimônia de casamento não se ensombreasse.

Estava lá, no deserto, alimentando a multidão faminta. E aguardava. E corria, aguardando com paciência.

Durante todo o tempo levava uma grande dor, não partilhada, silenciosa.

Alguns pedem arco-íris em suas vidas. Eu Lhe pediria mais. Eu desejaria ser, na minha nuvem, eu mesmo, um arco-íris, ministrando alegria aos outros.

"...corramos com paciência a carreira que nos está proposta..." Hebreus 12:1

Adaptado por Raquel Tinoco de Mananciais no Deserto



Foto 1 e 2: http://jornale.com.br/adrenalina/?cat=14
Foto 3: http://fotos.sapo.pt/
[...]

Como controlar a tensão pré-prova

Simulados
O candidato deve fazer simulados similares à prova do concurso para se habituar. Assim, ficará calejado e não irá encarar o exame como o primeiro que será feito.



Há outras chances
O candidato deve pensar que o concurso que irá prestar não será a única oportunidade de conseguir um cargo público, pois existem centenas de exames por ano. Dessa forma, ele ficará menos ansioso e tenso.


Sono e Alimentação
Na véspera da prova é aconselhável comer moderadamente na última refeição do dia para ter uma boa noite de sono e evitar alimentos gordurosos que deixam o metabolismo mais lento.



Relaxamento
Nos dias que antecedem o exame, é imp
ortante fazer programas que relaxem o corpo e mente ou até mesmo fazer uma viagem curta. Mudar de ambiente alivia a tensão.



Sem comentários
Evitar na véspera e até momento
s antes da prova, contato com pessoas que comentem o que estudaram. O candidato pode se desesperar ao ver que não estudou aquelas matérias, que nem sempre caem nos exames.


Prioridade aos resumos
Na última semana de preparação, é recomendável estudar os resumos e anotaçòes para fixar os pontos
principais e se aprofundar naquilo que já foi assimilado.


Após meses de estudo, chega a hora de fazer o concurso e mostrar que aquele esforço valeu a pena.

Mas muitos candidatos se deparam com um fator que pode pôr tudo a perder: o nervosismo.

A tensão pré-prova existe, mas deve ser administrada para que não coloque em jogo o cargo público que o candidato tanto almeja.


Mas como controlar a tensão e a ansiedade nos dias que antecedem os exames?

Para Tiago Sayão, diretor de planejamento do curso preparatório Meta Concursos, em São Paulo, o candidato deve antes de mais nada entender que aquela não será a única oportunidade de conseguir um cargo público, pois centenas de outros concursos virão. "Por isso é importante que sejam realizados no decorrer da preparação vários simulados iguais à prova que ele irá fazer para deixá-lo mais calejado. Assim o aluno aprende ao longo do processo onde ele tem mais facilidade, o tempo gasto em cada questão, e fica mais preparado e tranquilo para o dia do concurso."

A véspera Para Adalberto Pinto, professor de técnicas de estudo do curso Central de Concursos, em São Paulo, a ansiedade gerada por conta da expectativa de passar no concurso é prejudicial e faz com que o candidato não tome decisões corretas na hora da prova.

Segundo ele, um dos fatores que pode gerar ansiedade e frustração é o candidato decidir estudar matérias novas nos dias que antecedem o exame. "Não adianta atirar para todos os lados nos últimos dias. Deve-se passar por temas recorrentes de provas anteriores, como a crase, por exemplo, para se certificar de que aquilo está consolidado na mente".


De acordo com ele, na véspera da prova, o estudante deve se focar no lado prático do concurso.

Ele aconselha o candidato a visitar o local do exame para calcular o tempo que levará até a escola e evitar chegar atrasado para a prova.

Outra recomendação é ler os pontos do edital referentes à prova para calcular quanto tempo terá para cada questão e o peso de cada matéria.


Outro conselho é separar todo o material necessário para o exame, como canetas, lápis, documentação exigida e até a roupa que será usada. "O candidato tem de ir com uma roupa que o deixe confortável quando ele estiver na sala de aula e que contemple possíveis mudanças de temperatura, tanto para o frio como para o calor".


Adalberto diz ainda que é importante o candidato levar água. "Ele até pode sair da sala para tomar água, mas o tempo que ele vai perder para isso pode ser decisivo na prova".

O professor recomenda ainda comer moderadamente na última refeição da véspera e dormir cedo para acordar bem disposto no dia do concurso.


Evite o 'branco'

A psicanalista e neurocientista Nanci Azevedo Cavaco diz que o fator emocional pode comprometer o desempenho dos candidatos e até ocasionar o tão temido "branco" na hora do exame.

E muitas vezes, segundo ela, a tensão é gerada pela autocobrança, que aumenta a pressão pelo bom desempenho. "Muitas vezes os candidatos menos preparados se saem melhor que os que estudaram mais para a prova porque ficaram menos tensos e tiveram maior capacidade de discernimento", diz.


Nanci desenvolve treinamentos para melhorar a capacidade mental e atende candidatos na Academia do Cérebro e no curso preparatório para concursos Companhia dos Módulos, no Rio de Janeiro.

Além disso, ela é autora do livro "Turbine seu cérebro para passar em concursos", da Editora Ferreira.

Nos atendimentos, ela tenta identificar as dificuldades de cada aluno e o que ele precisa fazer para melhorar desde a memorização até a ansiedade.


Segundo a psicanalista, o medo gera no candidato um estado alterado que acaba distorcendo a percepção, a capacidade de raciocínio e o rendimento na prova. Por isso, ela ressalta a importância do pensamento positivo antes e durante as provas. "O candidato tem que se comportar como alguém que tem capacidade para passar porque se ele pensar que vai ter dificuldades num determinado setor essas dificuldades acabam acontecendo por associação".

Mudança de ambiente
Para Carlos Alberto de Lucca, coordenador geral do Siga Concursos, em São Paulo, os candidatos devem evitar estudar nas vésperas das provas. "Geralmente o candidato já se preparou por um longo tempo, e se ele for estudar nos últimos dias, vai reparar mais naquilo que ele não sabe e isso aumenta a tensão. Por isso, é necessário procurar fazer coisas que dêem prazer a ele para deixá-lo tranquilo".

Lucca indica que ele visite lugares diferentes e até faça uma viagem para mudar de ambiente. Mas, se o candidato achar necessário continuar se preparando na última semana, o coordenador recomenda que sejam revisados os resumos e anotações para lembrar dos pontos principais. "Nem pensar em pegar em livros novos".


Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Concursos_Empregos/0,,9654,00.html
[...]

Histórias de Sucesso

Filho de escravos, era carpinteiro. Habilidoso com as ferramentas que usava, seu trabalho era meticuloso e perfeito. Mas, ainda assim, todas essas qualidades não foram suficientes para evitar que fosse demitido durante a grande recessão americana de 1930.

No mesmo ano, aos 19 anos, Vivien Theodore Thomas foi contratado pelo Dr. Alfred Blalock como zelador de um laboratório que se utilizava de cães para experiementos médicos. Sua atividade? Manter o canil limpo e os cães bem tratados.

Tinha um sonho. A Medicina. Juntou cada centavo que sobrava de suas despesas para pagar sua faculdade.

Era negro numa sociedade extremamente racista. E daí? Tinha uma meta e não tirava seus olhos dela. Queria ser médico.

Sua paixão pela medicina o tornava curioso, sedento por saber. Encontrou um tesouro no laboratório. Livros, muitos livros de Medicina. Enquanto executava seus afazeres, devorava os livros, o que logo atraiu a atenção do Dr. Blalock.

Um dia, voltando do laboratório viu um tumulto em frente ao banco onde depositou suas economias. O banco havia falido levando junto todos os sonhos de Vivien. Ele acreditou que não conseguiria superar a perda.

Precisaria recomeçar.

No dia seguinte, ao chegar no laboratório, foi testado por seu chefe. Numa argüição surpresa, teve que citar nomes de vários instrumentos que guarneciam a sala cirúrgica. O Dr. Blalock queria mais, precisava de um assistente. Pediu que Vivien pinçasse os tubos de ensaio. Primeiro com a mão direita e depois com a esquerda. Vivien, com segurança, além de pinçar os tubos, conseguiu colocá-los em seus devidos lugares.

Foi promovido. Passou a ser assistente nas cirurgias experimentais do Dr. Blalock.

Quando Blalock se tornou cirurgião-chefe do Johns Hopkins Hospital, levou consigo Vivien por causa de sua paixão por medicina e habilidade na criação de instrumentos cirúrgicos. Na América racista de sua época, Vivien, que era negro, causava reações discriminatórias nos médicos do lugar ao circular de jaleco branco. Afinal ele não passava de um faxineiro. Vivien Thomas, por ser negro e não diplomado, não podia nem mesmo entrar no centro cirúrgico.

Vivien Thomas, de forma autodidata, através da observação, estudo e dedicação, aprendeu e desenvolveu técnicas inovadoras em medicina.

O trabalho dos dois direcionava ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de instrumentos para cirurgias cardíacas. O coração, naquela época, era considerado intocável e inoperável. Eles foram os primeiros a realizar cirurgias no coração de pessoas vivas.

Um jovem negro desafiou a ciência, demonstrando sua habilidade para cirurgia no maior Hospital dos Estados Unidos, o conceituado Hospital Hopkins.

Iniciaram sua pesquisa para a descoberta da fisiopatologia do choque hipovolêmico, mais conhecido como "Síndrome do Bebê Azul". Essa síndrome também é conhecida como Tetralogia de Fallot, onde o coração da criança possui um defeito que acarreta grande dificuldade de oxigenação do sangue, com isso o bebê adquire uma cor arroxeada (cianose) e sofre de falta de ar.

Desde os primórdios das suas pesquisas, o jovem Vivien Thomas se destacou.

Entretanto, continuava ganhando menos que os técnicos de laboratório. Seu salário continuava sendo o de um zelador. Lutou e acabou sendo promovido.

Antes de testar a cirurgia em humanos, os dois precisavem criar em cães os mesmos sintomas. Precisavam criar um desvio numa artéria para reproduzir a doença azul. Depois operariam o coração do animal para solucionar o problema. Vivien e seu mentor conseguiram.

Chegara a hora de aplicar a técnica em seres humanos. Desenvolveram o primeiro procedimento invasivo de anastomose em cirurgia cardíaca. O Dr. Blalock repetiria a operação em um paciente humano, com Vivien Thomas de pé num banquinho atrás de si, vendo tudo por sobre seu ombro e dizendo-lhe o que fazer. A cirurgia era considerada de alto risco.

Vivien enfrentou a discriminação dos demais médicos. Além de negro, não era graduado. O sonho de cursar a faculdade acabou sendo deixado de lado. Quando quis retomá-lo, percebeu que esperara demais. Todo o seu trabalho e experiência não lhe serviram para eliminar disciplinas e precisaria cursar todos os períodos letivos. Isso levaria tempo demais. Desitiu da faculdade e continuo seu trabalho laboratorial.

Thomas, jovem negro que sempre sonhou em ser médico, não levou o mérito das suas pesquisas.

Com um limitado grau de educação formal, Thomas lutou contra a pobreza e o racismo para se tornar um pioneiro na área da cirurgia cardíaca e um professor para estudantes que se tornariam os melhores cirurgiões dos Estados Unidos.

A parceria durou quase 40 anos e só muitos anos depois o trabalho de Vivien foi reconhecido.

Após a morte de Blalock em 1964, Vivien permaneceu no local por mais 15 anos.

Somente em 1976, Viven foi condecorado com um título de Doutor Honorário. No entanto, devido a certas restrições, ele recebeu um título de Doutor em Direito e não em Medicina. Vivien também foi nomeado para o corpo docente da Johns Hopkins Medical School como Instrutor de Cirurgia.

A História de Vivien Thomas é contada no filme Quase Deuses, parcialmente baseado no artigo jornalístico "Something the Lord Made", escrito por Katie McCabe e publicado no Washingtonian.

A história real de Viven Thomas foi produzido em 2004 pela HBO.

Nas salas da escola há uma réplica do retrato de Vivien Thomas encomendado por seus formandos de 1968. Repousa ao lado do retrado do Dr. Blalock

Vivien Thomas T. nasceu em New Iberia, Louisiana, em 29 de agosto de 1910.
[...]

Direito Constitucional

01. De acordo com a partilha de competências prevista na Constituição, analise as afirmativas a seguir:

I. Compete aos Estados explorar diretamente ou mediante concessão, os serviços locais de gás canalizado;
II. Lei específica estadual poderá instituir regiões metropolitanas constituídas por agrupamentos de municípios.
III. A União pode delegar aos Estados, por lei complementar, competência para legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas em sua competência privativa.

São verdadeiras somente as afirmativas:

A. I
B. II
C. I e III
D. I, II e III
E. nenhuma

Gabarito: Letra C
I. certa - art. 25,§ 2º
II. errada - Lei Complementar - Art. 25, § 3º
III. certa - art. 22, Parágrafo único

02. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, exceto:

A. registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios;
B. proteger o meio ambiente, combater a poluição e preservar as florestas, a fauna e a flora;
C. explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens;
D. fomentar a produção agropecuária e organizar o abastecimento alimentar;
E. promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico.

Gabarito: Letra C - exclusiva - Art. 21, XII, a

03. Assinale a alternativa correta:

A. compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre orçamentos;
B. o número de Deputados à Assembléia Legislativa corresponderá ao triplo da representação do Estado nas Assembléias Legislativas e Câmara Distrital e, atingido o número de trinta e seis, será acrescido de tantos quantos forem os Deputados Federais acima de doze;
C. as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergentes e em depósito incluem-se entre os bens da União;
D. o subsídio dos Deputados Estaduais será fixado por lei de iniciativa da Assembléia Legislativa, em razão de, no máximo 85% (oitenta e cinco por cento) daquele estabelecido para os Deputados Federais;
E. o subsídio dos Secretários de Estado é fixado por lei de iniciativa do Poder Executivo.

Gabarito: Letra A - art. 24, II
B. na Câmara dos Deputados - art. 27
C. bens dos Estados - art. 26, I
D. lei de iniciativa da Assembléia Legislativa / setenta e cinco por cento - art. 27, § 2º
E. iniciativa da Assembléia Legislativa - art. 28, § 2º

04. São meios constitucionais específicos de controle judicial visando a tutela de direitos individuais ou coletivos contra atos de autoridade, exceto:

A. mandado de prisão;
B. ação popular;
C. habeas corpus;
D. habeas data;
E. mandado de injunção.

Gabarito: Letra A

05. Acerca da estrutura e da competência constitucional do Poder Judiciário, é correto afirmar que:

A. todos os Ministros do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça devem ser brasileiros natos;
B. é competência originária do Supremo Tribunal Federal, processar e julgar o Chefe de Polícia Civil do Estado em crimes de responsabilidade;
C. compete originariamente ao Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, julgar os desembargadores dos Tribunais de Justiça do Estado e do Distrito Federal;
D. compete ao Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, julgar o Presidente da República, o Procurador-Geral da República, os Ministros de Estado e os Comandantes das Forças Armadas;
E. compete ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar, originariamente, os habeas data contra ato, dentre outros, do Presidente da República, das Mesas das Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Gabarito: Letra E - art. 102, I, d
A. errada - STF, sim. STJ, não. Art. 12, § 3º, IV
B. competência definida na Constituição de cada Estado
C. STJ - art. 105, I, a
D. Crimes de responsabilidade do Presidente da República e do PGR - Senado Federal - art. 52, I e II
[...]

Legislação Específica - PGE

01. A contar da data em que o Procurador do Estado de 3ª Categoria houver entrado em exercício e durante o período de ____________, será apurado o preenchimento dos requisitos necessários à sua confirmação na carreira.

A. 06 a 12 meses
B. 02 anos
C. 24 meses
D. 03 anos
E. 12 meses.

Gabarito: Letra D - art. 21

02. A Comissão de estágio encaminhará, no prazo de _________, a contar do término do estágio, relatório circunstanciado ao Procurador-Corregedor, o qual opinará motivadamente pela confirmação ou não do Procurador do Estado na carreira.

A. 60 dias
B. 30 dias
C. 15 dias
D. 10 dias
E. 5 dias.

Gabarito: Letra C - art. 23

03. Quando o relatório concluir pela não confirmação, dele terá conhecimento o Procurador do Estado, que poderá oferecer alegações no prazo de:

A. 60 dias
B. 30 dias
C. 15 dias
D. 10 dias
E. 5 dias.

Gabarito: Letra D - art. 24

04. No processo de confirmação de Procurador do Estado, o Procurador-Geral do Estado proferirá sua decisão até ______ após a manifestação do Conselho da Procuradoria Geral do Estado.

A. 60 dias
B. 30 dias
C. 15 dias
D. 10 dias
E. 5 dias.

Gabarito: Letra C - art. 26

05. Cabe ao Conselho da Procuradoria emitir sua manifestação sobre a confirmação ou não de Procurador do Estado no prazo de:

A. 60 dias
B. 30 dias
C. 15 dias
D. 10 dias
E. 5 dias.

Gabarito: Letra B - art. 26
[...]

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB