domingo, 19 de outubro de 2008

Histórias de Sucesso

Eu o conheci muito recentemente, através de reportagens e documentários. Mas não me atrevi a deixar de chorar. Acho que o sobrenome dele devia ser "superação". E aí, adivinhem? Me apaixonei por sua história de vida. Descobri que João Carlos Martins tem vídeos interpretando uma de minhas músicas preferidas: Ária da Quarta Corda, de Bach. Quero compartilhá-la e dedicá-la a vocês, meus leitores. O vídeo está disponível, logo ao lado. Ao ouvirem as notas tocadas por um vencedor, imaginem que nada está fora do nosso alcance quando realmente acreditamos.

João Carlos começou seus estudos no dia em que seu pai comprou um piano, ainda menino, com a professora Aida de Vuono.

Aos oito anos, seu pai o inscreveu em um concurso para executar obras de Bach e ele venceu seu primeiro de tantos outros que estavam por vir.

Começou a estudar no Liceu Pasteur e, com 11 anos, já estudava piano por seis horas diárias.

Teve, no Liceu, aula com o maior professor de piano da época - um russo radicado no Brasil, chamado José Kliass.

Sempre buscou a perfeição para se tornar um verdadeiro intérprete.

Venceu o concurso da Sociedade Brito de São Petersburgo.

Seus primeiros concertos trouxeram a atenção de toda a crítica musical mundial. Foi escolhido no Festival Casals, dentre inúmeros candidatos das três Américas para dar o Recital Prêmio em Washington.

Aos vinte anos estreou no Carnegie Hall, patrocinado por Eleanor Roosevelt. Tocou com as maiores orquestras norte-americanas e gravou a obra completa de Bach para piano. Foi ele quem inaugurou o Glenn Gould Memorial em Toronto.


Um amor tão grande pela música, uma dedicação tão intensa e meritória de admiração e respeito.

João Carlos Martins viu-se por diversas vezes privado de seu contato com o piano, quando teve um nervo rompido e perdeu o movimento da mão direita em um acidente em um jogo de futebol em Nova Iorque.


Com vários tratamentos, recuperou parte dos movimentos da mão, mas com o correr dos anos desenvolveu a doença chamada LER, que ocorre devido a movimentos repetitivos e causa o estressamento de nervos.

Novamente teve que parar de tocar, e dessa vez acreditou seria para sempre.

Vendeu todos seus pianos e tornou-se treinador de boxe, querendo estar o mais longe possível do que sua carreira significava como músico.

Mas sua incontrolável paixão o fez retornar, e realizou grandes concertos, comprou novos instrumentos e tentou utilizar o movimento de suas mãos criando um estilo único de tocar e aproveitar ao máximo a beleza das peças clássicas. Utilizou-se da mão esquerda para suas peças e obteve extremo sucesso com esta atitude.


Ao realizar um concerto em Sofia na Bulgária, sofreu um ataque em um assalto, e um golpe na cabeça lhe fez perder parte do movimento de mãos novamente. E ao se esforçar, sofria dores intensas em suas mãos, principalmente na esquerda.

Novamente pensou que nunca mais voltaria a tocar.

João perdeu anos de sua carreira em tratamentos, treinamentos e encontrou novamente uma nova maneira de tocar, utilizando os dedos que podia em cada mão, mas dia a dia podia tocar menos e menos com o estilo e maestria de antigamente.


“Eu estava sem rumo, em 2003, já sabendo que não poderia mais tocar nem com a mão esquerda. Sonhei então, que estava tocando piano, com o Eleazar de Carvalho, que me dizia: - vem para cá, que eu vou te ensinar a reger.” - palavras de João Carlos em uma entrevista.

Em maio de 2004, esteve em Londres regendo a English Chamber Orchestra, uma das maiores orquestras de câmara do mundo, numa gravação dos seis Concertos Branndenburguenses de Johann Sebastian Bach e, já em dezembro, realizou a gravação das Quatro Suites Orquestrais de Bach com a Bachiana Chamber Orchestra. Os dois primeiros CDs já foram lançados (lançamento internacional).

Incapaz de segurar a batuta ou virar as páginas das partituras dos concertos, João Carlos faz um trabalho minucioso de memorizar nota por nota, demonstrando ainda mais seu perfeccionismo e dedicação ao mundo da música.

João Carlos realiza, também, na Faculdade de Música da FAAM, um programa de introdução à música com jovens carentes.

A atuação de resgatar a música para as pessoas que não a conhecem ou ainda nunca tiveram contato com ela faz parte deste "momento mágico" em que vive o maestro João Carlos Martins.

Trabalha diariamente com pessoas de todas as camadas por querer mostrar que realmente "A música venceu!". E consegue.


Em fevereiro de 2004 o crítico inglês descreve na International Piano Magazine um episódio pitoresco que aconteceu na vida de João Carlos Martins, quando após um recital no Carnegie Hall, no final dos anos 60, recebeu uma recomendação de Salvador Dalí:

"Diga a todos que você é o maior intérprete de Bach. Algum dia vão acreditar. Faz muitos anos que digo ser o maior pintor do mundo e já há gente que acredita".

O crítico termina dizendo que João Carlos Martins não teve que esperar tanto tempo.


Fonte: http://pt.wikipedia.org/
[...]

Mestre dos Mestres

Sem liberdade o ser humano se deprime, se asfixia, perde o sentido.

Sem liberdade, ele se destrói ou destrói os outros.

A prisão exterior mutila o ser humano, não transfoma a personalidade, não expande sua inteligência. Apenas imprime dor emocional.

Jesus falava sobre a falta de liberdade interior que é mais grave e sutil que a exterior. Vivemos em sociedades democráticas. Falamos tanto de liberdade, mas freqüentemente ela está longe do território da mente.

Existem diversas formas de restriçào à liberdade. As preocupações existenciais, os pensamentos antecipatórios, a ditadura da estética do corpo e a exploração emocional das propagandas, são algumas delas.

Destaca-se a fábrica de ícones construída pela mídia. Os jovens não vêem em seus pais, professores e demais profissionais que lutam para vencer profissionalmente, os seus modelos de vida.

Seus modelos são mágicos: atores, desportistas, cantores que fazem sucesso do dia para a noite. Esse modelo mágico não tem alicerce, não dá subsídios para suportar dificuldades e enfrentar desafios.

Jesus discorria sobre uma liberdade poética, a liberdade de escolha, de construir caminhos, de seguir a própria consciência. Discursava sobre o gerenciamento dos pensamentos, a administração da emoção, o exercício da humildade, a capacidade de perdoar, a sabedoria de expor e não impor as idéias, a experiência plena do amor pelo ser humano e por Deus.

O Mestre da vida vivia o que discursava. Não impedia as pessoas de abandoná-lo, traí-lo e nem mesmo de negá-lo.

Nunca houve alguém tão desprendido e que exercitasse de tal forma a liberdade.

Nunca Desista de Seus Sonhos
Augusto Cury
[...]

Conselhos de quem passou em primeiro lugar

Motivação

Todo projeto de longo prazo terá momentos de ânimo e vontade de desistir. Procure se preparar para os dias de baixa: eles virão e você vai precisar aprender a lidar com eles. A motivação deve ser trabalhada diariamente.

Todos os dias você pode e deve lembrar os motivos que o estão fazendo estudar, ter planos, persistir.

Lazer e o estudo

Com organização, disciplina e força de vontade, é possível conciliar um estudo eficiente com uma vida onde haja espaço para lazer.

A qualidade de vida associada às técnicas de estudo são muito mais produtivas do que a tradicional imagem da pessoa trancafiada estudando 14 horas por dia.

Administração do tempo

Faça um quadro horário, colocando nele todas as tarefas a serem realizadas, o que vai levá-lo a estabelecer prioridades.

Também é recomendável que você separe tempo suficiente para dormir, fazer algum exercício físico e dar atenção à família ou relacionamento.

Humildade

Não queira parecer mais inteligente que o examinador ou criticá-lo. Preste atenção mesmo às questões fáceis ou aparentemente simples.

Ao fazer uma prova, nunca perca de vista o objetivo: passar.

O objetivo não é ser o primeiro colocado, e sim acertar as questões, tentar fazer o máximo de pontos, mas ficar feliz se acertar o mínimo para passar.

Provas

Em provas objetivas, seja metódico ao responder. Nas dissertativas, seja objetivo e mostre seus conhecimentos.

O início e o final das dissertativas devem ser breves; o desenvolvimento (miolo) serve para demonstrar seus conhecimentos sobre o tema.

Nessa parte, anote tudo o que você se recordar sobre o assunto e estabeleça relações. Se não tiver certeza a respeito de um comentário, adendo ou exemplo, elimine-o.

Simulados

Para os simulados, resolva questões e provas da matéria que estudou, como forma de fixar o conteúdo.

Periodicamente, faça um concurso simulado, observando o tempo real da prova e o uso apenas do material permitido pelo processo seletivo.

Outra dica boa é fazer os simulados oferecidos pelos cursos preparatórios.

Mudança de paradigma

Se você está acostumado a pensar numa prova apenas como aluno, aprenda a vê-la com os olhos do examinador.

Em duplas ou grupos, passe a fazer provas e trocá-las para correção.

Corrija-as como se fosse o próprio examinador.

Você aprenderá a ver a prova com outros olhos e isto facilitará seu desempenho quando reassumir o papel de aluno.

Treine para fazer provas orais reparando a postura e respostas do colega como se você fosse da banca.

Cores

O uso de mais de uma cor nas anotações estimula mais a atenção e o lado direito do cérebro.

Pode-se correlacionar cores com assuntos ou com referências.

Por exemplo, o que está em vermelho são os assuntos mais “quentes” para cair, o que está em azul são as exceções, os princípios podem ficar na cor verde, e assim por diante.

Leitura

Na primeira leitura, procure apenas a idéia principal, conteúdos importantes que sejam rapidamente captados.

Essa primeira leitura é rápida, descompromissada, sem a preocupação com a compreensão total.

Na segunda leitura faça uma análise melhor, comece a tirar conclusões pessoais, a criticar, concordar, anotar, sublinhar.

Na terceira leitura, você já pode sintetizar, resumir.

Ao final dela você já deverá sentir-se apto a fazer um texto sobre o tema.

Escrita

Comece a redigir todos os dias ou, pelo menos, toda semana.

Separe horários específicos apenas para isso.

Experimente começar a escrever um diário, poesias, contos, fazer descrições de objetos, narrar fatos ou problemas, dissertações sobre assuntos em geral e assuntos da matéria da prova, resumos de livros e filmes.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Concursos_Empregos
Fonte: William Douglas, autor do livro "Como passar em provas e concursos", da Campus/Elsevier
[...]

Bálsamo

Conta-se a história de um homem que levava sempre consigo uma latinha de óleo, e, se passava por uma porta que rangia, punha um pouco de óleo nas suas dobradiças.

Se um portão estava difícil de abrir, punha óleo em seus ferrolhos.

Assim passava ele pela vida, lubrificando todos os pontos difíceis e suavizando-os para os que vinham atrás dele.

O povo o chamava de excêntrico, esquisito e louco, mas o velho prosseguia firmemente, reabastecendo a lata de óleo quando esvaziava e lubrificando as coisas emperradas que encontrava.

Há muitas vidas que rangem e ficam presas no viver de cada dia. Nada vai bem com elas. Precisam de um pouco do óleo da alegria, da delicadeza e da consideração.

Você traz consigo uma lata de óleo?

Esteja pronto com seu bálsamo do auxílio, logo pela manhã, para utilizá-lo em quem estiver mais próximo.

Ainda que em gotas, aquele bálsamo será útil para desemperrar todo o seu dia.

O bálsamo do bom ânimo para o que está desanimado - quanto poderá significar!!!!

O bálsamo da coragem ao que está sem esperança.

Nossas vidas tocam algumas vidas apenas uma vez nessa caminhada. Depois os caminhos se separam, muitas vezes, para nunca mais se encontrarem.

O bálsamo da bondade já abrandou as bordas agudas e cortantes de muitas vidas endurecidas pelas lutas cotidianas, deixando-as suaves, maleáveis e prontas para novos desafios.

Uma palavra dita de modo agradável é como uma réstia de sol em um coração triste.

Dê aos outros, o sol; suas sombras, conte a Jesus.

Adaptado de Manaciais no Deserto




Foto 1:
http://fotos.sapo.pt
Foto 2: http://fotos.sapo.pt
Foto 3: Raquel Tinoco - Rodovia Carvalho Pinto
[...]

Simples, simples assim

O Tempo
A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...

E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

Mário Quintana
[...]

Não Desista Nunca

Se você não acreditar naquilo que você é capaz de fazer, quem vai acreditar?
Dizer que existe uma idade certa, tempo certo, local certo, não existe.
Somente quando você estiver convicto daquilo que deseja e esta convicção fizer parte integrante do processo.
Mas quando ocorre este momento?

Imagine uma ponte sobre um rio.

Você está em uma margem e seu objetivo está na outra.
Você pensa, raciocina, acredita que a sua realização está lá.
Você atravessa a ponte, abraça o objetivo e não olha para trás.
Estoura a sua ponte.
Pode ser que tenha até dificuldades, mas se você realmente acredita que pode realizá-lo, não perca tempo: vá e faça.

Agora, se você simplesmente não quer ficar nesta margem e não tem um objetivo definido, no momento do estouro, você estará exatamente no meio da ponte.

Já viu alguém no meio de uma ponte na hora da explosão... eu também não.

Realmente não é simples.

Quando você visualizar o seu objetivo e criar a coragem suficiente em realizá-lo, tenha em mente que para a sua concretização, alguns detalhes deverão estar bem claros na cabeça ou seja, facilidades e dificuldades aparecerão, mas se realmente acredita que pode fazer, os incômodos desaparecerão.

É só não se desesperar.

Seja no mínimo um pouco paciente.

Pois é, as diferenças básicas entre os três momentos são:

ESTOURAR A PONTE ANTES DE ATRAVESSÁ-LA

Você começou a sonhar... sonhar... sonhar! De repente, sentiu-se estimulado a querer ou gozar de algo melhor.
Entretanto, dentro de sua avaliação, começa a perceber que fatores que fogem ao seu controle, não permitem que suas habilidades e competências o realize.
Pergunto, vale a pena insistir?

Para ficar mais tangível, imaginemos que uma pessoa sonhe viver ou visitar a lua, mas as perspectivas do agora não o permitem, adianta ficar sonhando ou traçando este objetivo?

Para que você não fique no mundo da lua, meio maluquinho, estoure a sua ponte antes de atravessá-la, rompa com este objetivo e parta para outros sonhos!

ESTOURAR A PONTE NO MOMENTO DE ATRAVESSÁ-LA

Acredito que tenha ficado claro, mas cabe o reforço.
O fato de você desejar não ficar numa situação desagradável é válido, entretanto você não saber o que é mais agradável, já não o é! Ou seja, a falta de perspectiva nem explorada em pensamento, não leva a lugar algum. Você tem a obrigação consciencional de criar alternativas melhores.
Nos dias de hoje, não podemos nos dar ao luxo de sair sem destino.
O nosso futuro não é responsabilidade de outrem, nós é que construímos o nosso futuro.

Sem desculpas, pode começar...

ESTOURAR A PONTE DEPOIS DE ATRAVESSÁ-LA.

No início comentei sobre as pessoas que realizaram o sucesso e outras que não tiveram a mesma sorte.
Em primeiro lugar, acredito que temos de definir o que é sucesso.
Sou pelas coisas simples, sucesso é gostar do que faz e fazer o que gosta.
Tentamos nos moldar em uma cultura de determinados valores, onde o sucesso é medido pela posse de coisas, mas é muito mesquinho você ter e não desfrutar daquilo que realmente deseja.

As pessoas que realizaram a oportunidade de estourar as suas pontes de modo adequado e consistente, não só imaginaram, atravessaram e encontraram os objetivos do outro lado.

Os objetivos a serem perseguidos, foram construídos dentro de uma visão clara do que se queria alcançar, em tempo suficiente, de modo adequado, através de fatores pessoais ou impessoais, facilitadores ou não, enfim o grau de comprometimento utilizado para a sua concretização.

A visão sem ação, não passa de um sonho.
A ação sem visão é só um passatempo.
A visão com ação pode mudar o mundo.

Martha Medeiros
[...]

Direito Constitucional

01. Será exclusivamente remunerado por subsídio fixado em parcela única, exceto:

A. detentor de mandato eletivo;
B. Ministro de Estado;
C. Secretário Estadual e Municipal;
D. membro de Poder;
E. servidor público organizado em carreira.

Gabarito: letra E - art. Art. 39, §§ 4º e 5º

02. NÃO constitui princípio da República Federativa do Brasil, em suas relações internacionais:

A. independência nacional;
B. dignidade da pessoa humana;
C. autodeterminação dos povos;
D. prevalência dos direitos humanos;
E. repúdio ao terrorismo e ao racismo.

Gabarito: letra B - Fundamento - art. 1º, III

03. São princípios fundamentais da República, salvo:

A. erradicar a pobreza;
B. soberania;
C. cidadania;
D. valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
E. pluralismo político.

Gabarito: letra A - objetivo fundamental - art. Art. 3º, III. Embora questão de prova, o enunciado deveria conter a expressão "fundamentos", pois ao mencionar "princípios fundamentais", inclui tudo o que prevê o Título I, artigos 1º ao 4º. Logo, erradicar a pobreza, um dos objetivos fundamentais, também constitui princípio fundamental.

04. A Ação Popular, proposta por qualquer cidadão, será cabível:

A. sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção;
B. para, dentre outros casos, anular ato lesivo à moralidade administrativa;
C. para proteger direito líquido e certo não amparado por habeas corpus ou habeas data;
D. sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucioanis;
E. para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante ou para retificação de dados.

Gabarito: letra B - Art. 5º, LXIII.
A. Habeas Corpus -
Art. 5º, LXVIII
C. Mandado de Segurança -
Art. 5º, LXIX
D.
Mandado de Injunção - Art. 5º, LXXI
E. Habeas Data -
Art. 5º, LXXII

05. Justo Veríssimo, juiz federal, cometeu crime comum. O órgão competente para seu processo e julgamento, será:

A. Superior Tribunal de Justiça;
B. Juiz Federal;
C. Supremo Tribunal Federal;
D. Tribunal de Justiça;
E. Tribunal Regional Federal.

Gabarito: letra E - Art. 108, I. a
[...]

Legislação Específica - PGE

01. Número de Subprocuradores:

A. 03
B. 04
C. 05
D. 10
E. 02

Gabarito - Letra E - Art. 7º

02. Número de membros do Conselho da Procuradoria:

A. 10
B. 11
C. 12
D. 15
E. 25

Gabarito - Letra C - Art. 8º

03. Tempo de efetivo exercício exigido para o exercício do cargo de Procurador-Corregedor:

A. mais de 5 anos
B. mais de 3 anos
C. mais de 10 anos
D. mínimo de 10 anos
E. mínimo de 5 anos

Gabarito - Letra D - Art. 10-A

04. O Procurador-Corregedor promoverá correições, mediante comunicação com antecedência mínima de:

A. 10 dias
B. 15 dias
C. 48 horas
D. 20 dias
E. 24 horas.

Gabarito - Letra B - Art. 10-A § 1º

05. O Procurador-Corregedor poderá, a qualquer tempo, requisitar autos de procedimentos administrativos para exame, mediante comunicação com antecedência mínima de:

A. 48 horas
B. 24 horas.
C. 15 dias
D. 72 horas
E. 07 dias

Gabarito - Letra A - Art. 10-A § 3º
[...]

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB