quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Simples, simples assim...

Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali? 

Fernando Pessoa
[...]

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Para Kátia Rocha


Lua minguante em seu último dia (03/09)


Joca


Cadu


Malu


Léo
[...]

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Um presente para você...

Olá. Tenho o prazer de apresentar nosso primeiro trabalho juntos. Eu e o Professor Guerra estamos lançando "Comentários ao CODJERJ", da Editora Impetus. A obra é esquematizada, com dicas e exercícios. O objetivo é oferecer ao aluno, dentre outros destinatários, uma linguagem clara e de fácil compreensão. Espero que goste. Confira!!!

[...]

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

02 de setembro, um dia especial.

Bom dia. "Once upon a time"... "Il était une fois"... "Era uma vez"... 

Assim começam as histórias, reais ou não. Agradeça pela vida, preste atenção nos detalhes, simplicidade não se confunde com acomodação ou inércia. 

Já levei muitos tombos. De bicicleta, de patins, de carrinhos de rolimã etc. Mas há tombos e tombos. Uns a gente cura com uma sonora gargalhada e uma massagem, outros com lágrimas e às vezes, muuuuitas lágrimas. Faz parte do percurso. 

Uma vez decidi que ia descer uma ladeira de bicicleta. Tinha lá meus sete anos. Meus coleguinhas de infância tinham bikes lindas, com rodinhas, frufrus no guidão... Eu só tinha a do meu pai, sem rodinhas, só com rodões. Era uma bicicleta de adulto. Meus colegas desciam a ladeira e viravam uma curva fechada, sem nenhuma dificuldade. Observava. Tinha que tentar. Lá fui eu, ladeira abaixo, velocidade cada vez maior e quando chegou na curva... conseguiiiii... bater no poste que ficava do outro lado. A bicicleta de meu pai, a única, toda torta. Os vizinhos correram para me socorrer e conseguiram consertar a bike. Buáááááá, nunca mais ando de bicicleta. Mentira!!! Bicicleta consertada, lá estava eu de novo na ladeira, voando, curva se aproximando... zás, virei, consegui!!! Uhuuuu Precisavam ver minha expressão de vitória. Naquele dia conquistei o mundo!!! Se ainda tenho sonhos? Ihhhhhh... Ilimitados!!! Navegar pelas águas verdes do Rio São Francisco é um deles. 

Nossas histórias, eu sei, possuem situações que não estão sob o nosso comando, mas aceitar perdas inevitáveis, superar obstáculos, não desistir, olhar nos olhos dos outros e imaginar seus dramas pessoais, sem julgar, pedir perdão e aprender a perdoar, vencer a dor também fazem parte do percurso. 

Somos viajantes no trem da vida. O destino e a estação final são escolhas nossas. O final feliz, esse sim, podemos escolher. 

Lembro-me do desenho do Mogli. O episódio mais marcante para mim é o cântico do Balu: "necessário, somente o necessário, o extraordinário é demais... 

Compartilho com vocês, nesse dia especial, o meu texto preferido. "Assim diz o Senhor: reprime a tua voz de choro, e as lágrimas de teus olhos; porque há galardão para o teu trabalho, diz o Senhor (...) E há esperança quanto ao teu futuro (...)" Jeremias 31:15-17

Siga em frente. Se quiser olhar para trás que seja para acertar o passo e aprender com os erros. Quem muito olha para trás, transforma-se em estátua de sal. Bjs

[...]

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB