quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Histórias de Sucesso

Eu postei esta história em 01/03/2009, mas só hoje pude colocar mais um ponto. Vale a pena ler e refletir sobre suas adversidades e se são realmente adversidades. 

Olá leitores.

Hoje quero contar-lhes uma história de alguém que surgiu em minha vida inesperadamente.

Assim que fiz meu blog, comecei a receber comentários de uma pessoa chamada Vanessa. Não a conhecia, mas vi que tínhamos uma coisa em comum, gostávamos de Augusto Cury.

Mas como nada é por acaso, Deus nos mostraria que tínhamos mais afinidades.

De repente, ela me diz que será minha aluna e que está ansiosa por isso. Me contou um pouco de sua vida e percebi que conheceria alguém especial. Vanessa questionou meu sobrenome. Perguntou se eu era parente de um Pastor Tinoco. rsrsrs Era. É meu irmão. Ele congrega na mesma igreja em que o cunhado da Vanessa é pastor. E então, chegou o grande dia em que nos encontraríamos na sala de aula. E lá estava Vanessa me esperando. Tem um pouco de dificuldade no andar e na fala. Senta-se na primeira fila, bem perto de mim. Participa das aulas e vez ou outra me pede opiniões sobre o que fazer.

Como era de se prever, Vanessa é realmente muito especial. Suas limitações não a impediram de vencer. Modesta, omitiu o fato de que foi aprovada em primeiro lugar para um o concurso que fizera.

Pedi que ela compartilhasse com vocês a sua história. E aí está uma das mais belas histórias de sucesso que posto neste blog.

"Numa bela tarde de carnaval, 26 de Fevereiro de 1976, aspirei o primeiro fôlego de vida.

Naquele instante estava travada uma luta para minha sobrevivência - meu pescoço foi envolvido pelo cordão umbilical impedindo as primeiras passagens de oxigênio para o cérebro.

Permaneci por uma semana na maternidade em observação, retornei aos braços amorosos de meus pais que, daí por diante, passaram a observar o meu desenvolvimento.

Os primeiros sinais captados: dificuldade na coordenação - motora - fina (fala, pegar uma colher ou um lápis e até mesmo manter a própria cabeça erguida).

Logo iniciei meu tratamento, associado à natação que me ajudou muito. Quando cheguei à idade escolar, meus pais foram orientados a me matricular numa escola normal onde fui me adaptando com o tempo.

Passei por momentos bons e ruins à medida que fui interagindo com outras crianças que não tinham dificuldades, como também pela própria limitação na escrita em sala de aula.

Cresci em meio a outras crianças, sem a necessidade da “super - proteção” por parte de meus pais.

Isso foi muito bom para mim, pois me ajudou na maturidade, principalmente na fase adulta.

Na adolescência enfrentei barreiras de preconceito, humilhação e até mesmo agressões como: jogarem papel, borracha, giz em sala de aula. A própria escola reagia apenas com algumas advertências, mas não tomava uma atitude séria.

Nesse mesmo período fiz um concurso de redação no qual alguns colégios particulares estavam envolvidos. As melhores redações dos alunos ganhariam uma bolsa integral de estudos.

Para minha surpresa fui uma das contempladas, fiquei um ano sem pagar mensalidade alguma.

Deus é fiel!!!

Algum tempo depois, pensei mudar de escola por causa do vestibular, naquela época havia barreiras nas escolas conceituadas no vestibular em aceitar deficientes no corpo discente.

Por eu ser um pouco mais velha que a média de idade da turma, não me enquadrariam no sistema de ensino deles. Ninguém perguntava o meu potencial. O sistema de ensino é desumano, igualitário e não prepara ninguém para a vida, apenas para competição.

É para onde a nossa sociedade está indo! Algumas iniciativas já estão despertando em sentido contrário, a educação merece ser repensada valorizando as características do ser humano.

Enfim, completei meu 2º grau em outro colégio, fiz vestibular para Ciências Biológicas e passei para Universidade Gama Filho, após o primeiro período pedi transferência para o curso de Psicologia.

Após graduada, atuei um tempo na área de RH na qual me especializei.

Hoje, como muitos, estou na corrida por uma vaga em concursos públicos. Dentre alguns concursos que fiz, fui classificada ano passado e estou aguardando ser chamada para uma das subsidiárias da Petrobrás.

Graças a Deus, tenho confiado minha vida em Suas mãos.

As sequelas da Paralisia Cerebral que permanecem em mim constam apenas na fala e na escrita.

Um milagre!!!

Salmo 37: 5: “Entregue o seu caminho ao Senhor, confie Nele, e Ele agirá...”. Este Salmo já faz parte do meu dia-dia.

Passei a praticá-lo a cada momento da minha vida, e isto tem alimentado mais ainda a minha fé em Deus.

Vanessa Moraes"

Como viram, Vanessa prestou concurso para a subsidiária em 2008. Foi classificada em primeiro lugar, mas a vaga não veio. Ela viu outros sendo convocados e nada. O tempo começou a correr. Conversava com os responsáveis pelo certame e com os órgãos responsáveis pela convocação, nenhuma resposta sólida. Muitas vezes chorou ao encontrar-me nos corredores do curso, enquanto tentava outros concursos. A validade do concurso estava indo embora. Não sabia o que fazer. O conselho? Não desista. A vaga é sua. Busque o âmbito judicial. E assim fez.

Ontem, depois de quase cinco anos, Vanessa foi convocada através de um pedido de execução provisória. Percorreu muitas instâncias até a decisão final. Ligava ansiosa, às vezes chorava, perguntando o que eu achava. Minha resposta era sempre a mesma: aguarde, espere em Deus, confie. Não se desespere, você vai conseguir. Deus é fiel. Deus é fiel. Deus é fiel.

Ao receber sua mensagem, queria gritar com ela... Uhuuuuuuu... Orei e agradeci a Deus. Ao ler a Bíblia encontrei um texto que quero dedicar a você, Vanessa querida.

A empresa não desistiu da ação junto ao STJ, mas... "agindo Deus, quem impedirá?"

Isaías 49:15: "Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti."   

[...]

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB