domingo, 26 de outubro de 2008

Silêncio

Vou contar-lhes um pouco mais da saga de minha família. Sim, uma família forte, com histórias fortes, às vezes tristes e outras felizes. Há episódios e episódios, como o dia em que meu irmão mais velho colocou fogo no pasto e o fogo se alastrou por uma plantação de arroz do vizinho. Mas essa eu conto depois.

Eu fui uma criança muito feliz. Sou a caçula de dez irmãos. Imagine!!!

E como nasci bem tarde, meus sobrinhos acabaram sendo também meus irmãos. Tínhamos idades muito próximas.

Nasci em Piranema, um antigo distrito de Itaguaí, hoje pertencente a Seropédica. Vivi durante boa parte da minha vida nesse lugar. Ainda me emociono quando passo por lá. Vejo o hospital onde nasci, a escola em que estudei, os lugares onde brinquei...

Mas meu tempo de Itaguaí começou mesmo após uma grande perda. A morte de minha irmã Cenyr.

Cenyr, segundo informações de minha mãe, foi a quinta filha a nascer. Não me lembro muito dela, mas minha mãe diz que quem me dava comida era ela. Sempre comigo ao colo. E foi assim que, num dia de domingo, caminhamos para a Igreja.

Para chegar à Igreja minha família percorria mais ou menos oito quilômetros pela estrada principal. Como eram muitos filhos e não havia dinheiro para o transporte de todos, iam à pé. E assim foi.

Acordaram cedo, vestiram suas melhores roupas. Afinal era Dia do Senhor. Cenyr me arrumou, uma menina de 03 anos, e ajudou minha mãe com os preparativos para que todos saíssem na hora certa, a tempo de chegarmos ao culto sem atrasos.

Saímos. Minha mãe, minha irmã Cely, minha irmã Cenyr comigo ao colo. Atrás vinha meu irmão Edson. Cenyr estava na ponta, à beira da estrada. Conversavam trivialidades, cantavam hinos e caminhavam para a igreja. Cenyr era pianista. Tocava nos cultos. Seus passos e sua voz marcavam o mesmo ritmo. Sua risada ressoava naquele silêncio matinal.

Quase chegando ao nosso destino, Cenyr pediu que minha mãe me segurasse. E foi apenas o tempo de me passar para o colo de minha mãe. Um segundo, quase imperceptível, um carro... poeira... e Cenyr estendida no chão aos nossos pés. Tinha apenas 16 anos.

Meu irmão que estava atrás correu, minha mãe se desesperou... Ele contou... Um carro!!! Eles estenderam a mão e puxaram o cabelo dela... Ela tombou...

Sua Bíblia ao chão... seu hinário ao chão...

Meu irmão correu até à igreja para avisar meu pai. Ele havia saído pouco tempo antes de nós. Era diácono. Precisava estar na igreja antes de todos, ajudando a preparar o culto.

Minha mãe, depois desse baque, não suportou mais ficar em Piranema. Procuraram uma casa e encontraram em um bairro do Rio chamado Senador Camará. Vivi ali até os 09 anos.

Mas esse é outro capítulo da saga dos Tinoco e Costa.

Eu tenho uma vaga lembrança do enterro de minha irmã. Lembro que estava no colo de alguém e chamava pelo nome dela. Mas as tristezas reais que envolveram esses fatos estavam longe de uma menininha de 03 anos. Entretanto os danos causados até que a dor permanecesse ali, naquele lugar onde as dores permanecem, mentindo que foram esquecidas, eu pude presenciar e viver. Eu e minha mãe fomos muito companheiras a partir daí. Não tínhamos abundância, não tínhamos brinquedos caros, não tínhamos roupas caras... Meu pai permaneceu em Piranema onde trabalhava e minha mãe seguiu para Senador Camará com os filhos que ainda eram solteiros.

Mas éramos felizes. As coisas simples nos faziam sorrir. Eu e Sérgio, ainda crianças, inventávamos brincadeiras com o que tínhamos. Um bambú com uma corda amarrada era o nosso cavalinho de pau. Uma lata de leite em pó com areia, furada nas laterais, com um barbante atravessando, era nosso trem. rsrsrs

A dor, eu imagino, era quase insuportável, mas via minha mãe ajoelhada orando por seus filhos todos os dias.

Aprendi todas as histórias da Bíblia através dela. Ela as contava todos os dias quando me colocava na cama para dormir.

Lia versos para mim até que eu os decorasse e quando isso acontecia, eu os recitava nos cultos.

Minha irmã Cely me ensinou a ler nos gibis que comprava. Era feliz... sem saber que a felicidade às vezes nos custa caro. Mas a dor nos ensina a ver o mundo de outra forma, com mais calma, mais vagar.

A dor nos ensina a ouvir o silêncio, a sentir as notas da quietude.

Anos depois, escrevi em minha Bíblia uma frase que li no Mananciais no Deserto. Era uma jovem então, tinha 21 anos.

"Todas as coisas vêm à mão daquele que sabe confiar e estar quieto".

Hoje, apenas oro para que Deus me use todos os dias em auxílio a outros. Que eu possa, das minhas dores, das minhas alegrias trazer palavras de ânimo e vigor.

15 comentários:

Lillian disse...

Prof. Raquel.
A conheci dando aula de MPE, muito antes de sair o Edital,lá no Cepad, num ano em que eu atravessava um período muito cinzento de minha vida. E não podia imaginar a mulher sábia que você é, que então, tenho conhecido agora através do seu Blog.
Sinceramente, não costumo ler Blogs, mas o seu eu tive curiosidade de conhecer e muito mais, porque eu já tinha percebido a sua origem: cristã.
E lendo agora um pouco da sua vida, tenho encontrado nas linhas diárias do seu blog, força e vontade maiores de lutar e de perseguir o meu sonho.
Ano passado ganhei um livro "Nunca desista de seus sonhos" de Augusto Cury, na impulsão de querer ir em frente, escolhi o meu próprio presente, e o meu amigo oculto me deu... rsrsrs Comecei a ler, mas logo, logo larguei porque a cada linha que lia eu me dizia: "não é pra mim."
Sabe, eu sempre fui uma pessoa batalhadora e que tinha um ideal, mas a vida e seus acontecimentos foram apagando os meus sonhos.
Ainda no processo de me levantar com a ajuda de Deus, meu Senhor, e com essa descoberta - 0 seu blog - rs, estou subindo mais um degrau.
Eu creio que o seu Blog veio pra me ajudar de alguma maneira, porque eu sinto vibrações na sua escrita, nas suas palavras... eu diria, unção!!!
Com certeza, vc é um instrumento de Deus e Ele tem te usado.
Sabe, por causa da sua admiração pelo Augusto Cury, eu resolvi a voltar a lê-lo. E é bem certo que estou com uma visão diferente... Não acho o livro mais chato... Acho que faltava um estímulo.
Ao ler sobre a história do próprio Augusto,escrita por vc aqui, no Blog, me entusiasmou e pegar o livro na estante, de volta... rsrsrs
Obrigada, Raquel por você ser essa mulher incrível que é.
Você está me inspirando a não desistir da minha vida,dos meus sonhos, de ter uma família e de ser alguém profissionalmente.
Não dá pra falar muito sobre mim, aqui... mas só pra vc ter uma idéia da reviravolta que os seus textos estão causando em mim.
Muito Obrigada.
Que o Senhor Jesus continue te usando!
Lillian Santos

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi, Lillian. Agradeço a Deus cada vez que recebo um comentário ou um e-mail sobre a possibilidade de estar ajudando outros. Na verdade quero mesmo é escrever a história de sucesso de cada aluno, de cada pessoa com quem convivo. Sei que muitos já alcançcaram o sucesso que pretendiam por ora e sei que outros têm esperado um pouco mais. Mas o que me encanta em vocês é a capacidade de não desistirem. Quando quiser falar sobre você, estarei pronta para ouvir. Por enquanto, quero começar a orar e pedir a Deus que lhe conceda o que seu coração almeja. Você poderia me informar seu endereço? Goastaria de lhe enviar algo que vai ajudá-la nesse caminho. Beijos e muito, muito obrigada.

Anônimo disse...

Achei o seu blog quando procurava material de estudo para o concurso do Ministério do Trabalho.Quando vi o seu nome logo me lembrei que já havia ouvido falar de você:uma professora muito elogiada!!!Não fazia idéia da sua história de luta e me emocionei muito ao ler sobre sua irmã.Parabéns pela sua força de vontade e determinação.Que Deus te abençoe muito e que você continue a ensinar e ajudar seus alunos a atingir metas e a realizar sonhos!

Professora Raquel Tinoco disse...

Olá Sr. Anônimo. Obrigada. Espero que os links estejam ajudando-o a encontrar o material que procura. Deus o abençoe. Abçs

Vanessa disse...

Oi Profª Raquel.
Deus é perfeito, aproxima pessoas que têm experiências com Ele e que são sensíveis à restauração não apenas espiritual como também emocional, isso é fundamental!!!
Sou portadora de dificiência física, quando nasci tive paralisia cerebral, por erro médico. Hoje, sou formada em Psicologia, tenho pós-graduação e concursanda. rs
Graças a Deus hoje estou aqui, mas só Ele conhece as lutas travadas internas/ externas que me fizeram chegar até aqui. Como postei semana passada "...Ele forma e firma o Seu caráter dentro de nós". É verdeiro quando nos entregamos em Seus braços de Amor. As pessoas precisam conhecer o Seu Amor dentro de nós.
Não vejo a hora de te conhecer (daqui a dois sábados)!!!
Bjsss, Vanessa Moraes

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi Vanessa. Legal. Tb quero conhecer vc. Sim, só Deus sabe das nossas lutas e dificuldades. Mas é Ele também quem nos dá forças para atravessá-las. Beijos

Lydyane disse...

Já a admirava pelo pouco que conhecia .. mas a história me encheu os olhos de lágrimas... Linda! Guerreira e Vitoriosa!

Beijos

Vanessa disse...

Pois é, quem me vê nem acredita!! As sequêlas que permaneceram em mim são mínimas, apenas na coordenação motora fina (falo e escrevo devagar).Um milagre, perfeita aos olhos de Deus!!!
Bj, Vanessa M.

Professora Raquel Tinoco disse...

Obrigada meninas. Beijos

Normanda disse...

Querida Prof. Raquel.

Encontrei o seu site por acaso, procurando informações sobre o concurso do MTE. Foi bastante util, pois nele encontrei todas as informações que necessitava para montar o conjunto de matéria para estudar. Lendo essa mensagem que vc conta sua história, fiquei emocionada. É como se a estivesse vendo diante de mim. Muito bonita e nos mostra a nobreza, a humildade e a doçura de pessoa que vc deve ser. Acredito que ter a sua amizade é uma dádiva de Deus. Pena que poucas pessoas são assim. Tenha plena certeza que Deus lá do alto estará sempre lhe protegendo e lhe abençoando. Continue sempre assim, pois está cumprindo, com zelo e sabedoria, todas os ensinamentos do Grande Mestre.
Obrigada pela grande ajuda e que Deus a ilumine!
Normanda Nunes
29 de outubro de 2008
nsnunesadv@hotmail.com

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi Normanda. Seja bem-vinda. Obrigada. Só serei digna das minhas asas se as usar para ensinar os outros voarem. É o que tenho buscado. Fico feliz que a tenha ajudado e que Deus a abençoe. Beijos
Ah, já a adicionei no msn.

Vanessa disse...

Boa noite Prof. Raquel.
Estou passando rapidinho por aqui só para deixar uma das músicas que mais tocam no meu coração.
Sou Atraído - André Valadão
http://www.youtube.com/watch?v=Wrevgi7iZKU
Deus te abençõe.
Bjss, Vanessa Moraes

Alzira disse...

Emocionante sua história!! Parabéns pela força e determinação!! Estou estudando para concurso e às vezes, dá vontade de jogar tudo p o alto... Então vou navegar na net e sempre encontro pessoas e histórias que em fazem pensar diferente... A luta é sofrida, mas ainda estou tentanto...Fique com Deus.

Professora Raquel Tinoco disse...

Ok Vanessa. Vou ouví-la. Também gosto dele. Beijos e bom dia.

Professora Raquel Tinoco disse...

Obrigada Alzira. Bom dia e que Deus a abençoe. Bjs

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB