domingo, 24 de outubro de 2010

O Meu Pé de Caqui...

Não sei quem o plantou, quando eu cheguei já estava aqui. Aprendi a amá-lo pelo que representa para mim. Muitos pássaros em seus frutos. 

Fico vigiando para que não tirem todos os caquis. 

"Ei, deixe alguns para os pássaros!"

Em meados deste ano, com a safra no fim, fiquei preocupada. As folhas do caquizeiro estavam secas, amareladas, seus galhos começaram a ficar limpos, como se o caquizeiro não fosse sobreviver. Subia no terraço e olhava para ele, triste. 

Os pássaros trazem alegria e cor, mas também umas sementinhas de uma planta conhecida como "erva de passarinho". Ela vai crescendo e tomando conta de toda a árvore. Havia alguns ramos na copa do caquizeiro. 

Comecei  a perturbar o Paulo. "Você tem que fazer alguma coisa, tirar aquela erva lá de cima". 

Insisti, insisti, insisti... Paulo respondia: "não adianta arrancar os ramos, preciso cortar a erva pela raiz e terei que cortar alguns galhos do pé de caqui". 

"Faça o que for preciso, mas não o deixe morrer".

Um dia o Paulo resolveu subir na árvore e podá-la. Estava preocupado em não ser a época própria para a poda e prejudicar ainda mais a planta. Mas diante da minha insistência e medo que ela morresse, podou. 

O caquizeiro agradeceu. Lembrei do Zezé, do "Meu Pé de Laranja Lima". Hoje ele está lindo!!! As folhas, enormes. Deu-nos mais uma lição de vida. 

Às vezes, quase sucumbindo, precisamos de uma "poda" para sobreviver. Podemos associar a erva de passarinho à qualquer adversidade que teima em nos derrotar. Ela vem de mansinho, quase imperceptível, uma folhinha aqui, um raminho ali e, de repente, estamos tomados pelos problemas, num emaranhado confuso de sentimentos. É preciso arrancá-la pela raiz. Não se pode deixar um pedacinho sequer ou ela retorna com força e, talvez, não resistamos mais. 

O arrancar a erva pode levar pedaços do seu próprio corpo, como os galhos do caquizeiro. Mas para renascer, às vezes é preciso quase morrer!!! É preciso ter coragem para se deixar podar.   

Para minha surpresa, há em cada galho do pé de caqui, muito mais frutos que no ano passado!!! 

Paulo me explicou que por tratar-se de uma árvore muito antiga, ela já estava em processo de dormência. Ao cortar seus galhos, por uma questão natural de sobrevivência, a árvore frutifica mais, garantindo assim, a preservação da espécie. 


Fico imaginando se um dia tiver que me mudar deste lugar. Sofro por antecipação pelo pé de caqui. 

Fotos: Raquel Tinoco
Foto 1: Saí Azul
Foto 2: Sanhaçu de encontro amarelo
Foto 3: Meu Pé de Caqui

6 comentários:

Mandita disse...

Poxa Raquel,você me fez voltar ao passado,ao lembrar-me do livro:Meu pé de laranja lima.Esse livro é muito legal!!!!!Ai,ai,ai,momentos da infância...Mas,o que você falou é verdade.É necessário cortar pela raiz tudo que nos faz mal,como exemplo,são as plantas,que precisam ser podadas para renascer com vigor.As plantas nos ensinam muito a olhar a vida de uma forma totalmente diferente.Cada detalhe da natureza é um espetáculo aos nossos olhos,porém,muitas pessoas deixam de desfrutar desse milagre.Em fim,Raquel,curta bastante essa natureza em sua volta,não se preocupe com o dia de amanhã.Deus te deu esse presente,e fico feliz de compartilhá-los conosco.Um grande abraço e fique com Deus.

Cláudia Gonçalves disse...

Que coisa bonita Raquel..! Que legal, vocês dois são umas graças!
Beijo no coração de vcs!

Obs.: não tem jeito...vc sempre me emociona muito com as suas estórias aí...e hj especialmente me "pegou" de surpresa...me acabei de chorar...rs...ai ai..
Até breve! Boa semana a todos!!

Cláudia Gonçalves
(sua "velha" aluna - DPE por último - branquinha de cabelo curtinho )

LuNovais disse...

Fotos lindas, que olhar vc tem!!
Em td nesta vida há um aprendizado!! Amei...arranquemos os problemas ou eles nos arrancam deste mundo!!
Parabéns! bjos

Professora Raquel Tinoco disse...

Olá, meninas, tudo bem? Obrigada. A natureza nos ensina sempre. Bjs

Alessandra disse...

Amo suas aulas... nas salas de aula e de vida... amo suas fotos... amo amar uma pessoa como vc que ama amar a vida!!! Repito... qdo eu crescer quero ser igual a vc... rs rs rs Bjks Saudosas, Alê (CEGM) ;-)

zana disse...

Olá Raquel andei um pouco sumida,mas estou de volta. Fiquei chateada com a minha nota no concurso do MPU,mas enfim é a vida e temos que seguir em frente. Sua maneira de comparar a natureza com o ser humano é impressionante.
Ps. Gostei da foto. Mudou o cabelo!
beijocas,

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB