segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Pela transparência nos concursos...

"Estimados Professores, Jornalistas, Advogados, Equipes de Cursos Preparatórios e Sindicatos,

Peço licença para comunicar o seguinte:

O que eram apenas debates e consternações em foruns de concurseiros é, hoje, um verdadeiro movimento em defesa dos princípios de transparência, eficiência e legalidade nos concursos públicos.

Desde a última sexta-feira (17.9.2010), um grupo de candidatos tem se articulado para chamar os órgãos interessados a fiscalizar, de perto, as falhas do CESPE/UnB na divulgação de erros numerosos e anormais nos gabaritos preliminares, referente ao VI Concurso Público para provimento de cargos de Analista e Técnico do MPU.

A útlima grande vitória foi o apoio manifestado pelo Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no DF (SINDJUS-DF) à causa. A reuinião de ontem (22.9.2010) com os nobres Coordenadores-Gerais Ana Paula Cusinato, Berilo Leão e advogados dra. Aracéli Alves Rodrigues e dr. Jean P. Ruzzarin representando a respeitável entidade sindical não poderia ser melhor. Fica, aqui, o nosso sincero agradecimento. O próximo passo é uma possível reuinião (29.9.2010) com a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (ANPAC), representada pelo Professor Ernani Pimentel.

O objetivo principal da iniciativa é aproximar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Procurador Geral da República (PGR) e os Chefes dos quatro ramos do MPU aos problemas tão severos ocorridos no certame. O que se pretende é: fiscalização. Por quê?

De início, importa lembrar que não se quer suprimir a devida instãncia administrativa recursal. Nem se pretende a suspensão ou a anulação do concurso.

Contudo, é prudente e desejável uma fiscalização sobre a apreciação que o CESPE/UnB fará dos recursos movidos pelos candidatos de todos os cargos, especialmente de Analista Processual, de cuja prova o gabarito foi o que mais apresentou problemas.

Não se trata de capricho de alguns candidatos ou grupo de candidatos que se sentiram prejudicados. Nesse sentido os fatos de que, sem qualquer visibilidade pública e com todas as dificuldades inerentes à empreitada, a iniciativa angariou, em menos de 24 horas, mais de 750 assinaturas. Divulgado no dia 19 deste mês, após as 23:30h, o documento já conta com mais de 1680 assinaturas!

Com efeito, o Ministério Público da União é Instituição mais diretamente interessada no regular curso do certame. E, de fato, aquela banca examinadora não costuma reparar todos os erros devidos em seus gabaritos definitivos, ensejando até a atuação jursdicional no caso concreto (vide MS 270, de 24.8.2009, TRE/MG).

O CESPE/UnB integra a Administração Pública e, senão a maior, é uma das maiores bancas examinadoras do país. Exatamente por isso, tem realizado os mais importantes e mais concorridos concursos e seleções promovidos em território nacional, como aqueles de provimento das carreiras em instituições como ABIN, AGU, CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, POLÍCIA FEDERAL, MPU, OAB, PMDF, MPOG, TCU, TRF’s, TRT’s, STF, Tribunais Superiores e tantos outros, todos constantes de sua página eletrônica na internet.

Somente neste concurso do Ministério Público da União, o CESPE/UnB arrecadou cerca de R$ 50 milhões de reais, o que importa reconhecer, necessariamente, a envergadura e poderio políticos que possui, dispensando-se maiores esclarecimentos que confirmem ser fundado o receio, entre os candidatos, de que a Banca, para preservar-se, não tem e não terá interesse em reconhecer publicamente tantos erros injustificáveis.

Assim, pedimos e reiteramos o apoio dos estimados destinatários desta mensagem: divulguem em seus sites da internet, blogs, twitter, impressos gráficos etc. A causa é justa, legítima e pacífica. Somente tem a contribuir com o cumprimento dos deveres e princípios constitucionais de legalidade, impessoalidade, publicidade e eficiência na gestão da coisa pública.

Em nome de todos que apoiam e desejam limites claros em concursos públicos, manifesto meus cumprimentos.

Rafael Oliveira
Candidato ao Cargo 45 - Analista Processual
Comissão de Brasília - Grupo MPU por seriedade, transparência e respeito
HTTP://REQUERIMENTOMPU.WORDPRESS.COM


Colaboradores:

SINDJUS-DF
GRAN CURSOS
ROGERIO NEIVA
VITOR CRUZ
MOZART BORBA
CORREIOWEB"

1 comentários:

Anônimo disse...

Olá professora Raquel!
Ajude-nos a divulgar o blog dos aprovados no MPU e também o abaixo-assinado que estamos realizando com a finalidade de acompanhar as nomeações da forma mais transparente possível e fazer com que tudo ocorra da melhor maneira.

"http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N9384"
"http://aprovadosmpu.blogspot.com/"

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB