quinta-feira, 3 de junho de 2010

Trezentos e sessenta e cinco dias...

Trezentos e sessenta e cinco dias... Um ano... Paro e penso. Há exatos trezentos e sessenta e cinco dias me vi sentada na sala de espera daquela clínica. Vou confessar: não tenho saudades. As lembranças, entretanto servem como um marco de vitória. É assim a nossa vida e assim tem que ser. As adversidades devem nos impulsionar, devem nos tornar mais fortes e resistentes.

Minha mãe com seu braço esquerdo cada vez mais paralisado, mais enrijecido, inchado...

Olhava em volta e via pessoas em situação semelhante, histórias que começaram como a da minha mãe. Pessoas que lutavam por suas vidas, de todas as maneiras e algumas que até já não se importavam em seguir vivendo. Preferiam descansar. Acompanhei muitas delas que já nem estão entre nós. Vi pessoas que chegaram ali com todos os seus membros e aos poucos os perdiam, um de cada vez.

Naquele dia tomei uma decisão, talvez a mais importante da minha vida. Ao ser chamada na sala da médica responsável por minha mãe e ouvi-la dizer que já vira aquela história e que o fim não era nada agradável, voltei para casa desolada.

O braço dela não podia mais ser puncionado. Como faria a terapia? Várias sugestões e um encaminhamento. À noite, tenho certeza, Deus me orientou. Desobedeci. Resolvi parar com as sessões de terapia até que o problema do braço fosse resolvido. E assim foi. Ninguém acreditava que ela superaria.

Mas... agindo Deus, quem impedirá?

Hoje minha mãe completa um ano sem hemodiálise. Durante esse período foi ao médico apenas para consultas de acompanhamento e dia desses por causa da vacina H1N1.

Mais uma vez pensamos que a perderíamos, mas a sua força mais uma vez nos surpreendeu. É o texto de Paulo nos vem à mente: "quando estou fraco é que me sinto forte".

Teve febre por mais de uma semana e o ápice foi uma convulsão. Fui chamada às pressas para acompanhá-la porque estava sendo levada ao hospital. Ficou internada. Mais uma vez revivi o drama. Acho que só há uma pessoa mais traumatizada com hospital que eu... minha mãe.

Cada vez que precisam encontrar uma veia para o soro, parece que é em mim.

Engraçada esse inversão. Lembro que quando saía de casa, minha mãe dizia: "minha filha, assim que você chegar ao seu destino, ligue, por favor." E eu sempre obedeci.

Cada vez que um filho estava fora, minha mãe não dormia enquanto ele não chegasse. Presenciei, por inúmeras vezes, minha mãe ajoelhada à beira de sua cama suplicando por nós. Tenho certeza que foi a sua perseverança que nos livrou dos perigos, das ciladas... que nos fez superar cada derrota... que nos fez eguer após cada queda.

Hoje ela ainda me espera chegar. Penso que, por ser tão tarde, ela estará dormindo. Engano. Entramos bem quietos, pé por pé e, quando estamos saindo do quarto, a voz: "minha filha, você já chegou? Demorou tanto hoje. Senti tanta saudade!" Voltamos e lhe damos boa noite. Isso se repete todos os dias, todas as noites, comigo e com Paulo.

Cada vez que saimos e nos ausentamos por um tempo maior, ligamos todos os dias, mais de uma vez se for o caso, só para perguntar: "E aí, está tudo bem?"

A melhor resposta? "Sim, estão todos bem".

Feliz aniversário, mãe!!! Feliz renascimento!!!

14 comentários:

Leilane disse...

Professora querida, como não poderia deixar de ser, chorei, mais uma vez, com seu relato

Parabéns para sua mamãe amada

Bjs

Sua aluna

debora disse...

Raquel, desde que a conheci nutri imensa admiração e amizade por você. Acompanho seu blog todos os dias e todos os dias desço a barra de rolamento a procura de notícias da senhora de olhar doce, Dona Ruth Tinoco. Mesmo sem conhecê-la, torço por ela, vibro a cada dia sem hemodiálise...
Parabéns Ruth Tinoco, feliz renascimento!!!!!!!!!!!!

Ruth disse...

aiiiiiiii Raquel que bom que entro sempre aqui!!!
sempre me emociono lendo(parece que ouço vc contar) suas mensagens
sua mãezinhAd!!!!
QUE GOSTOSO...
ela deve ter muito orgulho de vc
pq vc é uma filha adoravel
fofa
responsavel

parabens pra minha xara que ela tenha muitos anos de vida e q possamos contar muitos renascimentos sem diálise!!!!

bom dia
ps vc anda muito sumida do blog

Professora Raquel Tinoco disse...

Obrigada, meninas. Obrigada, mesmo. Sei que muita gente tem acompanhado a história da minha mãe e torcido para que tudo dê certo. Agradeço de coração. Vocês são lindas. Bjs

Katia disse...

Missão de Amor - amor, esperança e compaixão, qualidades presentes no seu trabalho. Frutos da àrvore principal, Ruth, tão linda e serena nesta foto, demonstrando paz e felicidade.
O que você escreve sobre a Ruth demonstra a beleza e a sinceridade de uma Jornada de amor a Deus (que ampara e conforta). Esses 365 dias sem hemodiálise serão multiplicados!!!! Parabéns para as duas.

Professora Raquel Tinoco disse...

Obrigada Katia, querida. Sei que também está passando pelas tribulações que acompanham a enfermidade de nossos queridos. Confie em Deus, apenas confie. Bjs

rosana disse...

Sei o que é isso, pois em menos de um ano meu pai já teve cinco internações. São momentos difíceis,mas há sempre esperança quando temos Deus em nossos corações. Parabéns a D. Ruth pela superação e exemplo de vida. Raquel mais uma vez você mostrou a sua fé e força determinada, é seguir em frente e agradecer mais um dia de paz e alegrias. Beijos
Rosana

Anônimo disse...

Olá Raquel, vc não me conhece, sou de teresina-PI. Sempre que posso vejo o seu site e até já sugeri a umas amigas que tb estão nessa luta de concurso público.
Mas gostaria de relatar que, pela primeira vez choro ao ler um texto na internet, fiquei muito emocionada vc não imagina o quanto, com a história de sua mãe. Minha mãe desencarnou faz 5 anos, ela me faz muita falta, sinto falta do seu sorriso, do seu caloroso abraço, do seu olhar carinhoso, sinto muitas saudades e assim penso muito nela. O que eu mais queria ter na vida? vou te responder " minha mãe"...
Torço muito por você e tb por sua mãe desejo a ela força e muita saúde. Que Deus as abençoe, e proteja sempre...sempre.
Obrigada por seus ótimos artigos, e por ser essa pessoa prestativa e atenciosa.
Felicidades, sempre sempre.
Eliane
Teresina-PI.

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi Eliane. Obrigada pela visita e seja bem-vinda. Fico feliz em ter tocado seu coração. Eu sou muito ligada à minha mãe, tenho muito cuidado com ela, pois gostaria que fosse assim comigo. Era muito ligada a meu pai tb, tenho uma enorme paixão por ele, embora tenha nos deixado em julho de 2004. Entretanto, as pessoas importantes para nós jamais passam, nunca se vão. Estão sempre presentes, ainda que não fisicamente, num lugar muito aconchegante: o nosso coração.

Bjs e fique com Deus.

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi Rô, que bom ter vc aqui. Sei que está passando por dificuldades com a saúde de seu pai, mas confie em Deus. Ele, mais que ninguém, sabe o que é melhor para nós e não nos permite nada que não possamos dar conta. Sei que vc passará por essa tribulação e logo, logo estará tudo bem. Bjs

Cidelza disse...

Olá prof., sou sua aluna no CEGM 5ª à noite. Me emocionei com o relato que fez sobre sua mãe, sei como é isso, a minha também é muito preciosa pra mim!!!
Seu sucesso e sua garra nos impulsionam, que "Deus seja sempre o seu socorro no momento da tribulação", pois com ele sempre podemos contar...
Um abraço da sua mais nova admiradora - Cidelza Barreto (futura servidora de um cargo efetivo). BJS

Professora Raquel Tinoco disse...

Oi Cidelza. Amém. É assim que se fala!!! Obrigada pelo carinho. Bjs

Silvia disse...

Olá Professora Raquel! Sou sua aluna há pouco tempo no CEGM e estou gostando muito das suas aulas. O texto sobre sua mãe é emocionante, fiquei com os olhos cheios de lágrimas. Quando Deus age ninguém pode impedir... Parabéns pela vitória da D.Ruth!
Estou muito confiante para o próximo concurso do TJ, é um desejo antigo e creio que posso realizá-lo com meu esforço e com a ajuda de Deus. Raquel, vc sabe alguma previsão para o próximo concurso do TJ?
Bj

Professora Raquel Tinoco disse...

Obrigada, Silvia. Infelizmente, não há previsão. Bjs

Tudo começou quando...

meus sobrinhos, e não são poucos, resolveram fazer concurso para o Tribunal de Justiça.

Eu já estava trabalhando como Auxiliar Judiciário, aprovada no concurso de 1993. Pediram-me que desse aulas.

Então nos reuníamos na casa de um deles aos finais de semana e estudávamos. Comecei a elaborar apostilas que eram chamadas por eles de "apostilas da Que-Quel".

Ah, devo dizer que também não foi fácil pra mim.

Sou caçula de uma família com dez filhos.

Meus pais, muito humildes, não podiam fazer mais do que faziam. Todos tivemos que nos virar muito cedo.

Mas eles estavam ali.... movidos de esperança. Me ensinaram que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, não importa quantas vezes choremos... não importa se não chegamos em primeiro lugar... não importa se não alcançamos nossos alvos na primeira tentativa... não importam as adversidades... apenas continuem, dizia meu pai. E o via ali, praticando, ele mesmo, tudo o que ensinava.

E segui.

E então, como dizia, comecei a elaborar apostilas que foram ficando famosas... rsrs


No Fórum onde trabalhava, os colegas começaram a pedir que desse aulas. Mudei o local para minha casa e começamos a estudar.

E veio o concurso de 1997. Prova difícil.
Não obtiveram o êxito esperado. Mas não desistimos.

E veio o concurso de 2001. Estava já há algum tempo no TJ e resolvi que precisava mudar de cargo. Precisava passar para Analista. O que fazer? Pedi um mês de licença-prêmio e me tranquei em casa.

Prestem atenção. Tranquei-me!!! O tempo jogava contra mim. Minha licença foi deferida para 1º de julho de 2001 e a prova seria vinte e um dias depois.


Passava os dias lendo Codejrj e Estatuto e gravando a minha própria voz para escutar mais tarde, enquanto fazia outras tarefas.

Estudei o que pude, como pude.


E aí... em 2001 fui aprovada para Analista Judiciário (antigo Técnico Judiciário Juramentado). Gabaritei as questões de Codjerj e Estatuto.

Pouco tempo depois, estava trabalhando, quando um amigo, Vinícius, sabendo que eu havia gabaritado essas matérias, me convidou para dar aulas em Campo Grande-RJ.

Fui, morrendo de medo. Frio na barriga. Mas fui...

Lembra?? Jamais desistir!


Parece que gostaram... Daqui a pouco, ele mesmo , Vinícius, ao ser convidado para dar aulas em um curso da Barra, indicou meu nome para substituí-lo.

E lá fui eu... e assim, foram conhecendo meu trabalho.

Logo, estava sendo convidada para outro curso... e outro... e outro...


E tenho dado aulas desde então. A cada concurso, um novo desafio.

As apostilas da "Que-Quel" foram transformadas em apostilas da Professora Raquel Tinoco.

Amanda, minha sobrinha, está hoje no TJ-PR.

Outros sobrinhos seguiram rumos diferentes, sempre em frente, sempre na direção de seus sonhos. Estão chegando lá.


Meus alunos se tornaram meus amigos e isso me faz seguir.

Meu maior incentivo?? É acompanhar cada resultado e torcer por:

Admares, Alessandras, Alexandres, Alines, Amandas, Andréias, Andrezzas, Anicks, Arianes, Biancas, Bias, Brunos, Calixtos, Carlas, Carlos, Carlinhos, Carolinas, Carolines, Cidas, Christians, Constanças, Cristianes, Daniéis, Danielles, Deises, Denises, Diogos, Drês, Dris, Eneas, Fabíolas, Fábios, Fernandas, Filipes, Flávios, Freds, Giselas, Giseles, Ghislaines, Glórias, Hannas, Henriques, Ianos, Ilanas, Isabéis, Isabelas, Israéis, Ivanas, Ivans, Izadoras, Jackies, Jacques, Janes, Joões, Jeans, Julianas, Kayenes, Kátias, Lenes, Léos, Lúcias, Lucianas, Ludymilas, Luízas, Luzias, Magnos, Marcelas, Marcélis, Marcellas, Marcelles, Márcias, Marcys, Marianas, Marias, Megs, Meles, Mônicas, Patrícias, Pattys, Paulos, Pedros, Pritzes, Rafas, Rafaéis, Raphas, Raquéis, Renatas, Renées, Robertas, Robertos, Rodrigos, Rogérias, Silvanias, Simones, Sérgios, Suelens, Suellens, Tassianas, Tatis, Vanessas, Vicentes, Wilsons....

Deus os abençoe.

não desista!

não desista!

Postagens

Blogs & Sites

 

Proibida a cópia, sem autorização, dos textos, fotos e material de aula aqui apresentados©2009 Professora Raquel Tinoco | by TNB